quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Aguentar-me à bronca!

A situação no trabalho não estava fácil. Já não me lembro do mês exacto em que o salário foi pago depois do dia 10, mas sei que já lá vão uns meses. Daí até ter salários em atraso foi um passo e pior do que isso só mesmo a atitude da gerência quando alguém, normalmente eu, lhes perguntava pelos salários. Conseguiam fazer-me sentir mal por ter perguntado por uma coisa que por direito era minha.
No dia três de Dezembro passado, um dia depois do meu aniversário ("não falamos contigo ontem porque era o teu aniversário"), foi transmitido aos colaboradores que a empresa ia fechar. E cá está o primeiro erro: tinham comunicado à segurança social o encerramento da empresa a 30 de Novembro, ou seja, antes de falarem connosco. Mas em Dezembro continuamos a trabalhar, sem saber muito bem ao certo se iam ou não encerrar a empresa porque planos de novos projectos estavam a ser feitos. Até que no dia 31 de Dezembro, estávamos de férias desde dia 20 e como ninguém disse nada em contrário contávamos voltar ao trabalho no dia 2 de Janeiro, recebo a tal carta com os papéis para entregar no fundo de desemprego.
E aqui é que a porca torce o rabo. Na segurança social, aparece como data de encerramento da empresa o dia 30 de Novembro e na declaração que entreguei a data é de 20 de Dezembro, o meu último dia de trabalho antes das férias. Resultado: Janeiro não recebi um único cêntimo da segurança social porque o meu subsídio não foi diferido. Tive de ligar ao meu ex-patrão vezes sem conta, que me dizia que não era nada com ele porque tinha informado a segurança social das datas correctas. Acabou por me dar cópias dos documentos enviados, que eu reenviei para a segurança social da minha cidade e depois para a segurança social do porto (que supostamente tinha as datas correctas porque o meu ex-patrão enviou tudo para lá).
E agora? Agora aguento-me à bronca e espero que em Fevereiro esteja tudo resolvido e que me paguem os dois meses!!!

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Admirável mundo novo

A vida é feita de descobertas. E eu, qual David Attenborough, ando à descoberta de um novo mundo.
E que tenho eu descoberto, perguntam vocês? Ora vamos lá ver:

. As filas intermináveis da Segurança Social. São horas de rabo alapado a ver os números passar devagar, devagarinho e a ouvir histórias que não lembram a ninguém. E aquelas pessoas que não se calam o tempo todo??? Só à chapada.

. As aves raras do atendimento do centro de emprego. Debitam informação e quando lhes é perguntado alguma coisa diferente o sistema crasha!

. As apresentações quinzenais na junta de freguesia. Não sei quem foi o iluminado que se lembrou disto, mas oh perda de tempo!!!

. Os programas da tarde da televisão portuguesa. Isto por si só dava direito a um post enorme. O que é isto?! A Fátima Lopes dá-me pesadelos com aqueles penteados estranhos e mais não digo.


terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Fui só eu que vi?

Isto de estar desempregada dá para tudo, inclusive ver em directo a Gala da FIFA. E acho muito estranho ninguém ter falado na melhor cena da gala: a mãe do CR7 a limpar as lágrimas à écharpe. Todo o glamour, toda a finesse acabou ali.

Ora FODA-SE!!!

Alguém que me faça um desenho, mas que me faça entender porque raio é que tenho de entregar a papelada no centro de emprego da minha área de residência, mas depois o processo tem de ser avaliado no Porto. É que já passaram uns dias desde que os papéis deram entrada no centro de emprego e ainda ninguém me sabe dizer quanto vou receber, nem quando nem durante quanto tempo. Ora foda-se!

Entretanto já tenho apresentação na junta de freguesia marcada. Não caibo em mim de felicidade por ter de ir à nova junta de freguesia, que nem sequer sei bem onde fica porque com esta paneleirice da fusão de freguesias foi tudo alterado. Uma felicidade apenas superada por aquela demonstração de garra do meu FêCêPê na Luz. Calma, estou a ser irónica, não estou embriagada de tanta felicidade. Por mim tinham vindo TODOS a empurrar o autocarro até ao Porto carago! 

sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

Vamos cair no cliché: Ano novo vida nova!

Último dia do ano de 2013. Alguém bate à força e acordo sobressaltada. Era o carteiro, com uma carta registada. Em menos de dois minutos, passo do quentinho da minha cama para a dura realidade: Desemprego.

2014 será obrigatoriamente um ano de mudanças. Boa sou más só o tempo o dirá.. Para já, apenas sei que tenho pela frente uma dura batalha, mais uma, com a vida. Let the games begin....