sexta-feira, 22 de novembro de 2013

"Quem guardará os guardas?"

Fazer um directo em televisão é o equivalente a jogar na lotaria: ou se tem sorte e a coisa corre bem ou, pelo contrário, a coisa descamba e tem tudo para correr mal. Ontem, e na minha opinião, o directo da RTP da escadaria do Parlamento correu mal. A jornalista, que sinceramente não me lembro o nome, falou dos agentes das várias forças policiais como se fossem seres superiores aos comuns mortais, chegando mesmo a proferir a seguinte frase: "este não é um protesto de cidadãos comuns". Os agentes policiais têm todo o direito a manifestarem-se, aliás tal como todos nós os comuns mortais, mas se não se diferencia professores, desempregados, enfermeiros, médicos, reformados e todos os outros "grupos" que já se manifestaram em frente ao Parlamento, vamos diferenciar os policias porquê?
Já me disseram que um polícia é sempre um polícia mesmo não estando de serviço e, como tal, pode intervir em situações que considere necessário. Assim sendo, pergunto eu: não deveriam ter mantido a calma ontem na manifestação, dando assim o exemplo aos "outros" que se exaltam nas manifs? Quantas vezes não ouvimos o porta voz das forças de segurança fazer o balanço de uma qualquer manifestação e dizer que os manifestantes não podem desrespeitar as autoridades? Ontem os manifestantes invadiram a escadaria.. Isso não é desrespeitar os agentes que estavam ao serviço?

19 comentários:

  1. Não estou muito a par da manif. Deu barraco?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não deu barraco porque os policias que estavam de serviço não se impuseram com tanta veemência como fazem noutras alturas. Os manifestantes subiram a escadaria e houve alguma tensão..

      Eliminar
  2. Antes de mais deixa-me dizer-te que a diferença é que os agentes de autoridade são a unica classe que, por lei, está proibida de se manifestar. A participação em manifestações pode, legalmente, levar a processos disciplinares e ao despedimento.

    Uma coisa é certa, eu no lugar dos agentes que estavam a guardar o parlamento teria muito mais gosto em estar do outro lado. E por isso, para que as coisas não descanbassem não viste a mesma atitude agressiva que se tem visto em todas as manifs de nenhuma das partes (Não houve cães, não houve carga da parte da policia de intervenção...). Tenho para mim que aquilo fui combinado, houve alguma resistencia que cuminou com a invasão simbiolica das escadas do parlamento. 5 Minutos depois estava tudo a desmobilizar e a cumprimentar os colegas, felicitando-os pelo bom trabalho feito.
    Sim, apesar de tudo concordo contigo, os manifestantes deviam ter zelado pela imagem, e cumprimento do dever dos colegas que eram OBRIGADOS a estar lá... Mas enfim...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sabia que os agentes da autoridade não se podiam manifestar.. O que é uma estupidez porque antes de serem policias, são pessoas como qualquer um de nós!

      A coisa podia ter corrido muito mal se os agentes em serviço actuassem com mais agressividade, sem dúvida! E para eles deve ter sido estranhissimo estar frente a frente com os "seus", tendo sido planeado ou não.. O certo é que as próxmas manifestações podem não ser tão pacíficas!

      Eliminar
    2. Eu penso que o Timido está mal informado. Os policias já se podem manifestar desde a sua última manifestação (já há alguns bons anos e essa sim, ilegal) da qual, um dos resultados, foi o direito à manifestação.
      Se as coisas são feitas de outra forma "por debaixo da capota", não sei mas, por lei, eles têm esse direito.

      Eliminar
  3. Alguém disse, também em direto, que legitimidade terá a polícia daqui para a frente, quando ocorrerem derrubes de barreiras e invasões de espaços onde não era suposto os manifestantes chegarem.
    É evidente que esse desrespeito pela autoridade vai acontecer, como já aconteceu no passado e o que me ocorre dizer acerca disto, é que na devida altura a polícia irá colmatar a falha de ontem substituindo legitimidade por falta de vergonha na cara.
    Não foi sempre assim?
    Não é esta a mesma instituição policial que, ao longo de 35 anos de democracia de fachada, tem espancado trabalhadores com salários em atraso?
    Para mim acabou tudo de forma providencialmente pacífica e tudo não passou de uma farsa. E como ex-trabalhador com salários em atrazo, agredido e inibido do exercício democrático de manifestar o meu desagrado, não tenho constrangimento de qualquer espécie ao dizer que teria ficado satisfeito se aquela merda tivesse descambado num banho de sangue.
    Só quando eu vir a escadaria do Parlamento transformada numa cascata vermelha do sangue daquelas bestas, vou sentir vingados os meus 18 camaradas de trabalho assistidos na urgência do Hospital, numa noite de violência que só não foi gratuita, porque as bestas são muito bem pagas com o dinheiro dos meus impostos.
    Puta que pariu as forças de segurança que para manter os interesses dos "donos", espezinham quem lhes põe o pão na boca dos filhos.
    Que vão arder nos quintos do inferno, se é que essa merda existe.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O cordão policial que lá estava abriu-se e não fizeram nada porque do outro lado estavam policias do outro lado.. se fossem "cidadãos comuns" era ver quem levava mais!

      Eliminar
  4. Pior...é desrespeitar todos o que levaram bastonadas por terem tentado fazer o mesmo...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E as próximas manifestações vão ser lindas vão.. a tensão será muito maior e de certeza que o o cordão policila não ficará tão "sem reacção"!

      Eliminar
    2. Por alguma razão o Director Nacional da PSP se demitiu...

      Eliminar
    3. Era tão bom que, pelo menos vá, metade dos governantes lhe seguisse o exemplo...

      Eliminar
    4. Não dava em nada... Quem os substituía? A oposição? Iam fazer o mesmo ou pior... Temos os políticos que merecemos e que ninguém se iluda quanto a isso :-/

      Eliminar
  5. Pois eu só esperava que eles entrassem pela assembleia adentro...os agentes não são cidadãos comuns é atoarda da jornalista. Mas eu percebo o que queria dizer.

    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como "não cidadãos comuns" que são, deveriam ter tudouma outra postura.. digo eu! Não vai ser fácil gerir os ânimos nas próximas manifestações..

      beijinho

      Eliminar
  6. Eu acho que quando quem nos defende e protege tem motivos para se manifestar, alguma coisa vai mesmo muito mal... Olha, por exemplo, a história do guarda que foi condenado pelo homicídio da criança que foi levada para o assalto pelo pai: então o homem está ao serviço do Estado e esse Estado pura e simplesmente deixa-o sem qualquer tipo de apoio?! Deve passar-lhes pela cabeça (às forças de segurança) que mais vale estarem quietos...
    (Eu estou doida ou houve mudanças?! Nice!)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. pelos vistos, há dois pesos e duas medidas para quem está ao serviço do Estado. E é este o país que temos..Infelizmente!
      (mudei para um look mais "invernal" lol)

      Eliminar
  7. Numa única palavra: corporativismo. Mas alguém acredita que os manifestantes romperam o cordão de segurança? Os colegas que estavam de serviço é que deram o jeitinho...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que foi bem visivel.. o cordão policial pura e simplesmente afastou-se! Noutra situaçao qualquer, muita bastonada seria dada, muita detenção seria feita...

      Eliminar
  8. Pelo que vejo na comunicação social, são das profissões fundamentais de uma sociedade, e são mal pagos, cada vez mais sem direitos e sem regalias. Não pode ser!
    Se pensarmos no caso do restaurante, em que um GNR de apenas 27 anos foi morto a queima roupa, a troco de nd! Se pensarmos no GNR que para manter a ordem, disparou, atingiu o filho do fugitivo e, mesmo estando a cumprir o seu dever, foi acusado e condenado. Subir a escadaria é pouco!

    ResponderEliminar