quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Será que sou adoptada?

Já aqui contei algumas histórias do meu passado familiar, nomeadamente as histórias de violência doméstica. Mas não era só as agressões que eu não percebia.. O facto de a minha mãe ter de pedir autorização ao meu pai para sair de casa, fosse ela ao médico ou a casa da minha avó, sempre me fez imensa confusão, assim como ela depender dele para todas as decisões. A minha mãe era o exemplo da mulher subjugada, que suportava tudo em prol da família, ainda que eu não percebesse esse conceito estranho de "família" que ela e o meu pai tinham. Com o tempo, percebi que era uma questão de mentalidades, percebi que eles estavam "formatados" para que assim fosse: ele mandava, ela obedecia. Nunca aceitei isto, tive grandes discussões ora com um ora com outro e nunca percebi porque discutia a minha mãe comigo quando a única coisa que eu queria era ajudá-la a libertar-se.
Anos mais tarde, vejo  isto a acontecer com a minha irmã. Quatro anos mais velha do que eu, viveu comigo todos os dramas familiares dos nosso pais e neste momento também ela se rege por regras retrógradas estipuladas pelo marido. Há muito que deixei de tentar ter algum tipo de relação com uma pessoa como ele, limitando-me ao cordial "bom dia" ou "boa tarde", isto depois de já lhe ter dito com todas as letras que à minha frente não trata a minha irmã como se fosse criada dele. E a verdade é que sofro com isto tudo, primeiro porque não posso fazer nada porque a vida é dela e, segundo, porque não quero que a minha sobrinha passe por nada semelhante ao que eu passei. E ainda que a minha irmã não seja vítima de violência doméstica (porque aí eu já podia agir), a verdade é que é vítima de violência psicológica e a miúda vai começar a perceber as coisas. Aliás, já percebe porque diz muitas vezes que "o papá não vai saber pois não tia?" ou "o papá depois ralha com a mamã"... E eu não percebo como é que a minha irmã aceita tudo isto e a questão da mentalidade ou da "formatação" já nem se coloca porque eu fui educada da mesma maneira que ela.

12 comentários:

  1. :/ Lembro-me sempre da frase "Aceitamos o Amor que achamos que merecemos". Há pessoas que acham que não merecem mais ou, pior, que não merecem ser felizes. Mais grave ainda com crianças envolvidas, o que até me faz ter esperança que, pelo menos, nesses casos, as pessoas acordem um dia e se imponham...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu espero que isso aconteça! e gostava tanto, mas tanto que ela fosse feliz... :/

      Eliminar
  2. Talvez ela não tenha conseguido ser independente e isso condiciona muito as pessoas. :\

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não digo que teria uma vida folgada se vivesse só do salário dela, mas será que não era mais feliz?

      Eliminar
  3. Violência psicológica também é violência doméstica... Só não deixa as marcas na pele :s
    Faz-me uma confusão dos diabos... Não sei que dizer! Desculpa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há palavras quenos marcam muito mais profundamente do que duas chapadas... Também não sei o que dizer à minha irmã, mas gostava tanto que ela fosse feliz :/

      Eliminar
  4. Apesar da educação ser a mesma, as pessoas não reagem da mesma maneira. Pode estar realmente formatada :/
    De qualquer forma, a violência psicológica também é crime, o problema é que é muito mais difícil de provar...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sempre fomos muito diferentes, mas nunca pensei que chegasse a isto :S

      Eliminar
  5. É a sociedade em que vivemos. Nós pensamos que não mas a verdade é que está demasiado enraizado na nossa sociedade para desaparecer em três gerações. Podem-me chamar violenta, mas no dia em que um homem me tratar mal eu faço-lhe a vida negra, e só não o mato porque depois vou para a choldra.
    Em relação à tua irmã, ela é que tem de se aperceber da vida em que e que a quer mudar, por mais que tu digas e que a tentes ajudar não vai funcionar, as pessoas só aprendem com as cabeçadas, é sempre assim.
    É só famílias disfuncionais, irra! Mas esta humanidade está toda maluca??!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu devia ter aí uns dez anos quando disse à minha mãe que quando fosse grande até podia apanhar a primeira, mas a segunda era eu a dar!! E mantenho! No dia em que algum gajo me encostar um dedo, passo-me da cabeça...

      Eliminar
  6. A sério... Estas coisas "magoam-me" tt. Será que não pensam que estão a marcar uma criança?! Para a vida toda?!
    Enfim... Gostava muito de ajudar, mas se a tua mana se deixa manipular... É complicado!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu sinto-me completamente impotente.. Depende dela, essa é que é essa!!

      Eliminar