terça-feira, 16 de julho de 2013

Memórias



Lembro-me de me perguntarem muitas vezes se gostava mais da mamã ou do papá. A resposta era sempre a mesa: gostava dos dois em partes iguais. Sempre que me perguntavam com quem queria ficar se os meus pais se separassem, dizia que não queria que se separassem. Ponto. Mesmo com todas as discussões e cenários de violência doméstica, aquela era a minha família e não queria que mudasse. E a verdade é que desculpava sempre o meu pai e punha as culpas no álcool. Ele era outra pessoa quando bebia e dessa pessoa tinha a certeza que não gostava, mas pelo meu pai tinha uma certa adoração. Comecei a ver as coisas de outra forma à medida que ia crescendo, como é óbvio. Nunca fui uma adolescente rebelde, mas não perdia uma oportunidade para chocar de frente com ele. Discussões eram o pão nosso de cada dia entre nós, num verdadeiro duelo de gerações e mentalidades, mas não ficávamos chateados demasiado tempo. Aos 22 anos obriguei-o a ver que a menina parecida com ele tinha crescido. “Se sou adulta para trabalhar e pagar despesas, sou adulta para sair à noite até à hora que me apetecer”, disse eu. Depois de ameaçar que trocava as fechaduras de casa e que me metia “fora da porta” se não chegasse a tempo do recolher obrigatório, percebeu que tinha adversária à altura e acabou por aceitar. Hoje percebo que era a maneira dele de me proteger… Aos 27 fiquei sem ele, na altura em que nos dávamos melhor ou pelo menos já não discutíamos tanto e há dias em que sinto uma falta terrível dele e das nossas discussões... Hoje é um desses dias... 

12 comentários:

  1. Por muito azedas que sejam algumas memórias, há sempre uma certa doçura que algumas pessoas deixam em nós. Pensa que ele está bem a olhar por ti!

    ResponderEliminar
  2. Uma história triste a lembrar a minha. Só que eu era rapaz e "ele" deixou-me aos 14 anos.
    Há dias em que também fico assim. Especialmente na véspera de Natal. dia em que o meu velho caiu para o lado e nunca mais se levantou.
    Temos de tocar a vida para a frente e não deixar que esse passado nos mate de saudade... :(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A saudade irá permanecer sempre, nós é que nos habituamos a ela!! O Natal já é uma altura complicada porque nos lembramos sempre de quem não está.. os teus não devem ser fáceis mesmo :(

      Eliminar
  3. Sem mais nada a dizer, deixo um beijinho :)

    ResponderEliminar
  4. Conflitos geracionais, quem os não teve? Tanto que perdemos por só tarde demais percebermos que nem tudo o que se diz e faz, é por maldade... é a p*ta da vida que tantas voltas dá, que às vezes fica enrolada nela própria. :(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Era bem mais fácil se viesse com livro de instruções.. mas a verdade é que perdia a piada toda viver!!

      Eliminar
  5. Revejo-me em certas coisas que contas... Mas ainda não sinto essa falta.
    beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu sei q há semelhanças, mas espero que as coisas se resolvam.. e o mais rápido possível!! ***

      Eliminar