terça-feira, 14 de maio de 2013

Carta a D. Afonso Henriques

Caro Afonso,

Imagino que te sintas revoltado com tudo aquilo que se está a passar num país que só existe por tua causa. Tenho a certeza que na altura em que lutaste tão afincadamente por este pedaço de terra, não esperavas que isto se transformasse num circo com palhaços reconhecidos internacionalmente e trapezistas que fazem trinta por linha para chegar ao topo.

Por esta altura já te deves ter perguntado se valeu a pena assentares na tua mãe. Espero que ela já te tenha perdoado, afinal o tempo cura tudo e ela não tem propriamente um passado imaculado. Seja como for, bateste-lhe, lutaste contra ela porque acreditavas numa causa maior do que a família, num propósito mais forte do que o sangue e nem quero imaginar o quão desiludido te deves sentir agora ao ver pessoas como estas, desprovidas de princípios e sem a mínima noção de honra, a dirigir o país que tu fundaste com tanto esforço e dedicação.

Tenho pena de não te poder dar boas notícias, mas parece que o teu país irá sofrer mais uma machadada e sinceramente temo que não será a última. Quantos mais golpes iremos suportar? Lamento, mas não te sei dizer. Temos suportado um golpe atrás do outro, mas aos poucos a nossa esperança, a nossa crença e a nossa garra vão-se perdendo e temo o dia em que nenhum de nós acredite mais neste Portugal que tu fundaste. Não me leves a mal por dizê-lo assim, desta forma tão rude, mas a verdade é que as nossas forças não devem durar muito mais tempo, não quando os golpes desferidos partem de quem nos devia defender e de quem deveria lutar por nós, tal como tu fazias nas tuas batalhas.

Não me alongo mais, não é minha intenção tomar muito do teu tempo. Quero apenas que saibas que tenho vergonha por não poder fazer mais pela tua causa, tenho vergonha deste governantes que dia após dia contribuem para a queda desta identidade que tu fundaste.

Grata pela atenção,

Euzinha da Silva


Ps.: Se vires o D. Sebastião, diz-lhe para voltar.. Temos tido vários dias com nevoeiro e toda a esperança é bem-vinda.

10 comentários:

  1. Se nos tivéssemos mantido espanhóis, neste momento também não estávamos melhor. Mesmo se o Viriato não tivesse embirrado com os romanos, a esta hora éramos italianos e estávamos às portas da desgraça.
    O mundo está perdido...

    ResponderEliminar
  2. Devíamos ser paraíso fiscal. Afinal de contas, estamos quase rodeados de água por todos os lados! E metemos água sempre! lol

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como em espanha as coisas também não andam muito melhores, podes rectificar lol TEMOS ÁGUA POR TODOS OS LADOS!!!

      Eliminar
  3. todos iguais. eles devem ser todos irmãos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu nem sei para que há tantos partidos políticos.. vai dar td ao mesmo!

      Eliminar
  4. Epá excelente texto, Neverzinha! Subscrevo a 1000% tudo o que escreveste!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada :) nem quero imaginar as voltas que este homem, ou o que resta dlee, já deu no túmulo...

      Eliminar
  5. Aha aha aha... Belíssima ideia, essa de escrever ao Afonso.
    Por acaso já dei por mim a pensar se o facto de ele se ter chateado com a mãe foi benéfico para nós. Muitas vezes dei por mim a pensar que teria sido melhor se nunca nos tivéssemos desindexado de nuestros hermanos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora aí está.. nunca saberemos, mas achoe quenesta altura até ele se perguntaria o mesmo!

      Eliminar