quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Dormir ou não dormir. Eis a questão!

O meu maior problema quando ando de metro é o sono que se apodera de mim, qual espírito da pomba gira que de apoderava da Linda Reis.
Não poucas vezes, é ver-me colada ao vidro com o braço apoiado naquela beirinha da janela e a mão a segurar o queixo para não me babar. Já me aconteceu de um amigo me ligar só para me dizer que tinha acabado de passar na estação onde ele estava colada ao vidro e de boca aberta. Foi a partir daqui que decidi segurar no queixo...
Para combater o sono a única solução é ler. Sim, porque ouvir música é como se me estivessem a embalar. Neste momento ando a ler "O último cabalista de Lisboa" do Richard Zimler, um gajo que foi meu professor na faculdade e que nos mostrou a bela merda que um exame "à americana" pode ser (nunca vi tantos zeros numa pauta). Não adormeço, é um facto, mas vou a viagem toda a rogar pragas a:

            .  pessoas que ligam para cinco pessoas diferentes só para passar tempo e, para além de falarem alto comó caraças, dizem a mesma merda a todas;
            . pessoas que vão a contar as estações em voz alta, regra geral sentadas ao meu lado;
            . mães que deixam os filhos andarem de pé pelo metro todo e depois chamam por eles aos berros e os putos, lá longe, respondem aos berros também;
            . pessoas que vão a discutir ao telefone e é um chorrilho de insultos de fazer corar o menino jesus.

E eu pergunto-me: será que não era melhor ir a dormir?

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Se alargassem a cabeça...

Alargadores de orelha. Não sei se existem alargadoares de outras coisas por isso achei por bem especificar.
Não tenho nada contra, cada um alarga o que quer e o que bem entende e eu sei que não tenho nada com isso, mas não percebo. Usam aquilo porquê? Acham bonito andar com uma cratera na orelha? É para ser diferente e muito cool? Deve é dar jeito para dar um puxão de orelhas..
Sempre que vejo alguém com isto sinto vontade de ir lá meter o dedo e puxar.. um dia destes apanho dois estalos bem assentes por ficar a olhar feita parva, mas eu juro que aquilo me chama e diz "puxa-me".. Eu é que me controlo.

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Karma?

Pensamentos positivos atraem coisas positivas. (mais) Um mito urbano! 
Ando há uns dias a pensar em coisas boas, num estado muito 'peace and love' e muito 'don´t worry, be happy' e deixem que vos diga onde isso me levou:

. Boca completamente rebentada. Das três consultas necessárias para desvitalizar o dente, duas já foram e nesta última foram tantas as merdas que a dentista meteu aqui para dentro que tenho a boca toda dorida. Até o algodão debaixo da língua deixou marcas.

. Lábio todo fodido, por dentro e por fora. Na sequência da anestesia dada na consulta, fiquei com a boca tão dormente que passadas quase três horas ainda não sentia nada. Já com o estômago colado às costas, decidi come qualquer coisinha e.. trinquei-me toda! A minha sobrinha também achou piada eu não sentir nada e deu-me algumas 'chapadas carinhosas'. Tudo isto junto, parece que andei à pancada e tenho lábio inferior com ferimentos internos e externos. E inchado óbvio!

. Capot (recuso-me a escrever capô) do carro todo lixado. Das duas uma, ou os gatos vadios decidiram fazer do meu carro um ringue luta livre ou alguém que não tem mais nada para fazer andou lá de chave em punho a riscar aquela merda toda.

Até tenho medo de começar a pensar coisas más...

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Oh puta deita-te... que de pé cansas-te!

Quando eu pensava que a gíria nortenha já não me conseguia surpreender, eis que ouço este brilhante upgrade da expressão "oh puta deita-te", essa expressão que se aplica a tantas e a tão variadas situações.

"Oh puta deita-te que de pé cansas-te" é bonito.. A preocupação  com o bem estar da pessoa a quem se diz tão bela expressão é por demais evidente, tornando-nos mais humanos, mais sensíveis e melhores pessoas de que cada vez que dizemos esta expressão. "Oh puta deita-te que de pé cansas-te".

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Já começa a enjoar

Cada vez que um ministro ou deputado ou outro filho da puta qualquer ligado ao Governo abre a boca lá vem a Grândola... Abre-se o jornal e lá está a notícia da Grândola.. Liga-se o facebook e lá está a Grândola a ser partilhada à força.. E vê-la ser cantada, entoada, remixada, enfim no que quiserem. E o que era suposto ser uma senha de revolta, neste momento caminha para a senha da parolice. Grândola remixada com Harlem  Shake?!?! WTF?!


Tia babada

Ao telefone com a minha sobrinha de (ainda) 5 anos:
Eu: Então ouvi dizer que querias falar comigo.. Diz-me!
Ela: Tia dos meus nervos, já compraste aquilo?
Eu (a fingir que não estava a perceber): Aquilo o quê?
Ela: Ai ai tia.. tás a brincar comigo não estás?
Eu: Não tou nada a brincar.. Falamos de tanta coisa que não sei mesmo. Explica lá.
Ela: A minha prenda tia, daahhhh! Disseste que me davas a boneca das Winx e até agora.. Nada!
Eu: Tem lá calma! Só fazes anos em Março e prometo que no dia dou-te a boneca, mas só no dia! Até lá.. esperas!
Ela: Não posso ver como é? Só para saber se gosto?
Eu: Já viste mais alguma prenda? Não pois não?
Ela: Oh.. de quem? És tu que me dás prendas, o resto é só roupa...
Eu: E roupa nova não é prenda?
Ela: Não.. se a sujo apanho no focinho! Prenda é bonecas, como as que tu me dás!
Eu: Sabes o que tu és? Uma interesseira..
Ela: Isso é o quê? Gostar muito de ti? Então sou..

E eu rendo-me completamente! Agora é só arranjar a boneca..

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Oh si cariño

Não tenho nada contra os espanhóis, mas também não tenho nada a favor. Nem me aquecem nem me arrefecem e convivia pacificamente com eles se não se armassem em maiores
Ontem pediram-me ajuda para comprar a viagem de metro e eu, como pessoa simpática e prestável que sou, ajudei. Era ver-me a falar português mais alto e mais devagar, pois claro! Se em Roma sê romana, no Porto sê tripeiro!
Eram dois espanhóis, já tocados pelo álcool que era um cheiro a cerveja que Deus nos acuda, e lá lhes comprei os andantes. Agora que penso nisso podia ter comprado as viagens mais caras só para os lixar, mas o Metro do Porto também já tem muito por onde chular.. Adiante!

"Vas a ver el Porto?". Não, eu estava com a camisola e com o cachecol do FCP porque não tinha mais nada para vestir e o azul até me fica bem! "Vais ver o Málaga?" e o burro riu-se! Depois disse alguma coisa que eu não percebi, mas acabou com um "oh si cariño" e eu isso já percebi.
Respondi-lhe com a única resposta que sei para essa frase: "Si a ti te gusta, a mi me encanta" e entrei para o metro.


Acho que fiz um amigo espanhol! 

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Cor de burro quando foge

Andar de transporte públicos é como andar numa montanha russa: nunca se sabe como vai ser! E mesmo que já se ande nisto há uns valentes anos, aparece sempre uma nova aventura e lá vamos nós dar mais uma voltinha no carrossel. Ontem apanhei um jovem (e sim, é em alturas como estas, em que dou por mim a pensar "mas este cabrão deste puto não se cala?!", que me sinto 'mais velha') que foi o caminho todo a falar pelos cotovelos e tão mas tão alto que tenho a certeza que o ouviam na rua antes de ver o metro a aproximar-se.
O jovem fazia a festa e ainda lançava os foguete se apanhava as canas. O jovem que lhe fazia companhia deve ter articulado três ou quatro frases, no máximo, e uma das vezes que falou foi para explicar ao amigo como se fazia uma chamada do telemóvel. Sim que toda a gente ouvia um telemóvel a tocar, mas ele não sabia que era o dele. "Eu sou um gaijo das cavernas pah! Nem sei como mexer nestas coisas" foi o seu comentário bonito à situação.
Já a falar com outra pessoa, e o volume continuava no máximo, disse que ainda estava no metro, mas que podia ir ter a casa dele e explicou onde ficava:" 'tás a ver aquela casa amarela ou azul ou o caralho? não? a seguir àquele prédio redondo ou oval ou o caralho? olha fodasse, espera na estação do metro.."
E eu, confesso, fiquei emocionada com esta descrição. Queria vê-lo fazer uma demonstração de uma casa ao serviço da Era ou então a comentar as casas e quartos descritos n' Os Maias!

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Mal entendido

- Sempre vais ao Dragão na terça?
- Vou!
- E vais com quem?
- Comigo mesma!
- A sério? Não tens medo?
- Não é bem medo, é mais naquela de não criar muitas expectativas.
- Pois.. tanta gente e tu lá sozinha!! Ainda te acontece alguma coisa!
- Não estou a perceber..
- Então.. Tu sozinha nas filas, na bancada.. Sabe-se lá se não és assaltada ou se os espanhóis não te raptam..
- Ai disso.. Não é a primeira vez que vou sozinha e de certeza que não será a última... Eu estava a falar do jogo em si.. Tenho medo que o jogo não corra bem ao Porto.

E amanhã lá estarei :)

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Expliquem-me por favor!!

Porque raio é que vão jantar fora no dia dos namorados? Não fazem isso uma carrada de vezes ao longo do ano? Não era suposto ser um dia especial, com demonstrações calorosas de amor e ternura e carinho e blá blá blá wiskas saquetas?!?!
Ontem à noite, a caminho da minha aula de hidroginástica, não havia restaurante (restaurante, snack-bar, tasco vá) que não estivesse apinhado de gente... O que há de romântico numa francesinha ou num chop suey de gambas ou ainda numa carne de porco à alentejana?

Das coisas que me irritam!

Porque raio é que há pessoas que tocam à campainha e batem à porta ao mesmo tempo?! Se a campainha lá está é porque deve ser usada. Se não funcionar, batem à puta da porta claro, mas só depois de esperar pelo menos uns segundinhos. Isto porque uma gaja pode estar sozinha em casa ou no escritório e estar ocupada, sei lá, com uma chamada ou a fazer um xixizinho e não conseguir abrir a puta da porta no instante  a seguir a terem tocado. E não é por tocarem à campainha e baterem à porta tudo ao mesmo tempo que o meu xixizinho vai sair mais depressa sim?

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

What a difference a day makes?

Foi na véspera do dia dos namorados que acabei uma relação.
As coisas já não andavam bem e quando eu pedi para conversar as coisas correram mal. Até acho que já contei aqui a história, mas como a preguiça hoje tomou conta de mim e ir lá atrás ver se já escrevi dá um trabalho do caraças, faço um resumo muito resumido. Basicamente aquilo que ele me disse foi que naquela altura da vida dele, o trabalho vinha em primeiro lugar, depois os amigos, depois a família... Como não queria saber se ficava atrás do gato ou do periquito, interrompi-o e disse que eu queria mais e por isso mais valia ficarmos por ali. Indignado e com um olhar incrédulo, perguntou-me se estava a acabar com ele mesmo na véspera do dia dos namorados. Eu disse que sim, que não queria alguém que pensasse em mim e gostasse de mim um dia por ano, mas sim todos os dias e saí do carro.
Mantenho essa opinião. E sim,  gostava de ter alguém na minha vida, mas não sinto mais falta disso hoje do que nos outros dias...

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

Do Papa

Muito se fala e se continuará a falar sobre o assunto.
Mas eu acho que esta explicação está muito bem conseguida:




 O que eu me ri com isto!!! Mais lenha para me queimar loooooool

O mega chupão

 Hoje no metro duas miúdas falavam em chupões e em mordidelas. Lembrei-me deste meu episódio.

Tínhamos ido ao cinema numa tarde em que nenhum de nós tinha aulas. Escolhemos a única comédia que ainda não tinha começado, quer dizer deixei-o escolher porque sinceramente tanto me fazia. Já não me lembro do nome do filme, lembro-me apenas que era com o Ben Stiller e que não achei piada nenhuma ao bocado que vi. Sim, porque não vimos o filme todo, acho que nem metade. A sala estava vazia, havia apenas mais duas pessoas lá bem atrás que nunca se pronunciaram  sobre o "filme" que se passava mais à frente. Ou se se pronunciaram, nenhum de nós ouviu.
"Hei, o que é isso que tens no pescoço?", perguntou a minha colega de quarto mal entrei em casa.
"Não acredito que aquele filho da puta  me fez um chupão!!!" foi a minha constatação brilhante em frente ao espelho! Fui logo pôr creminho e rezar para que passasse rápido. No dia a seguir, acordei e estava a tomar o pequeno almoço quando a minha colega de quarto se levantou. "Fodasse, parece que foste mordida por um vampiro!!", soltou enquanto segurava a gargalhada. Quando vi o meu pescoço com uma mancha enorme vermelha, perdi a vontade de rir. Aquilo já não tinha ar de chupão... Fui para a faculdade de lencinho no pescoço. Sentei-me ao lado dele numa aula que tínhamos em comum e perguntei-lhe que raio é que ele me fez. "Não és tu que adoras a minha barba de três dias? Não dizes que é sexy? Acho que o teu pescoço não deve partilhar dessa opinião", brincou ele. Quando lhe mostrei o estado do meu pescoço, a perdeu o ar de troça. "Fodasse, isso está a ficar roxo".
Três dias depois, fui passar o fim de semana a casa. De lenço.



segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

Ai a adolescência...

Minha querida tia ligou-me toda entusiasmada. "A tua prima quer falar contigo. Se for sobre sexo já sabes.. aquela história toda da primeira vez, põe-lhe juízo na cabeça", disse-me ela. "Oh a filha é tua e eu é que tenho de lhe falar sobre sexo? Duvido que seja sobre isso, mas já lhe ligo". E lá estive eu uns minutos a pensar no que se deve dizer a uma adolescente de 14 anos, naquela conversa que eu nunca tive com a minha mãe e que pelos vistos a minha prima também não terá com a mãe dela.
Já tinha decidido que lhe iria responder a todas as questões e já sabia que ia usar e abusar do "cada caso é um caso" e do "é uma decisão tua", quando lhe liguei. Perguntei-lhe o que me queria e ela enrolou, enrolou e enrolou até me perguntar "olha, tu já foste a Lisboa não já?". E eu já a pensar "Ai que esta maluca anda-me a sacar moçoilos lisboetas!!". Disse que sim mas que não conhecia praticamente nada.
"Se eu ganhar bilhetes para ir ver os One Direction vens comigo?", era esta a pergunta para queijo que ela tinha para me fazer.



sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Ó mãe, porque me fizeste assim?

Tenho as pernas feitas num oito. A aula de hidroginástica deu cabo de mim. Eu que pensava que aquilo é "coisa para velhos" e que seria só chapinhar na água, tenho vindo a aperceber-me que se a coisa for bem feita dá cabo de muita gente.
Ontem o prof lembrou-se de nos mandar para a parte baixa da piscina, parte essa em que a água me dá pouco acima do joelho. Como queria que os ombros estivessem dentro de água, sentei-me no fundo da piscina. Foi o suficiente para ele ser ir ao princípio, mas chatear-me o resto da aula. "Podes ir mais para trás um bocadinho, mas nada de te sentares. Abre as pernas"; "Não ficas com os ombros dentro de água? Abre mais as pernas!!"; "Tá muito fácil? Afasta mais as pernas". Já não o podia ouvir!! Quando saí da piscina,veio ter comigo e disse que hoje ia andar toda partida.
Pois eu digo mais: hoje tenho um andar novo!


quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

QSF

"Vai: vai ser o que a tua alma te pede que seja. Vai: vai cantar à chuva, amar ao vento, saborear o sol. Vai. Vai esquecer que há quem te doa, que há quem te sofra, que há quem te magoe. Vai. Vai lembrar que vives, vai lembrar que abraças, vai lembrar que beijas. Vai. Vai sorrir. Vai sorrir para quem amas, vai sorrir até para quem não amas. Vai. À praia se te apetecer a praia, à cama se te apetecer a cama. Vai. Ao sonho se te apetecer sonhar, ao palco se te apetecer brilhar. Vai. Sem olhar para trás, sem olhar para o que jaz. Vai. Vai ser o que nunca deixaste de ser, o que nunca vais deixar perder. Vai. Vai vencer. Vence de palavras na mão, vence pela força de dizer não. Diz QSF ao que te quer impedir, diz QSF ao que não te quer deixar sair. Vai. Sai. Vai. Diz QSF a tudo. Para que não seja tudo a dizer QSF a ti."

in "EU SOU DEUS"

de Pedro Chagas Freitas

Ai q' horror queridaaaa!!

Metro do Porto. Bancos de quatro. Dois lugares ocupados por duas senhoras cheias de "não me toques" e os outros dois ocupados por sacos. Eu queria-me sentar e pedi por favor para retirarem os sacos. Olhares de choque e de horror lançados na minha direcção. Eu a fazer a minha cara número 11 de "e quê? para hoje porra?". Uma delas pega nos sacos e trata-me por você. Eu detesto que me tratem por você, faz-me sentir velha. Mas depois percebi que elas falavam assim, à tia, com você isto e você aquilo e uns "ai não querida" pelo meio. Arrependi-me logo de me ter sentado ali. E elas a queixaram-se que a Babá (diminutivo de Bárbara?) no sábado passado não tinha ido ao salão, e que deve ser para não responder a questões obre o marido e o processo que tem em tribunal, e da crise que não lhes permitia ir ao Brasil este Carnaval.
E eu só me lembrava do Caco Antibes e da sua célebre fase "oh coisa di pobriiiiii"!


Nota: a crise deve tê-las obrigado a despedir o motorista e por isso andavam no metro. Ou então o metro é "chiquibem"!!! O que faz de mim uma super tia que já ando nisto vai para lá de 10 anos...

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Dúvida existencial

Porque é que os gajos das empresas de publicidade insistem em mandar-me e-mails com informações sobre os 1.99999000 comprimidos existentes para "penis elargement" se eu não tenho um pénis? 
É que nem tenho gajo que possa precisar disso nem tenho irmãos do sexo masculino. O meu pai e os meus avôs já faleceram, de modos que só me restam os meus tios e meus primos e sinceramente não os estou a  ver a falar comigo sobre essas coisas..

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

"Rais parta" os dentes!

Fim de semana foi também ida ao dentista. Eu não cabia em mim de entusiasmo.... not!
"Tem um dente espectacular para ser desvitalizado!" diz-me a dentista enquanto escarafunchava o interior do dito cujo. Eu não senti nada porque avisei a "sótora" que tenho um sério trauma com dentistas e que preferia sair de lá com a boca dormente do que sentir alguma coisa. A verdade é que passadas mais de duas horas ainda tinha dificuldades em abrir a boca.
Agora voltei à medicação, ao meu querido Brufen efervescente, porque tenho a boca dorida. E como hoje estou em dia "sim" e tenho de olhar para o "bright side" das coisas... Acabei de comer um gelado*. A sabedoria popular diz que gelados fazem bem aos dentes e por isso, pelo menos hoje, a sabedoria popular é soberana.


* O senhor do café perguntou-me se estava com calor. "Acha que um gelado me apaga o fogo?", perguntei eu! E ele riu-se!

Serei velha,mas velha enxuta!

Este fim de semana houve festa na aldeia. Nada digno de um directo exaustivo de seis horas à la tvi ao domingo à tarde (que me suscita a dúvida pertinente de onde caralho é que eles arranjam tanto cantor pimba para 'encher' tanto domingo), mas mesmo assim é um "acontecimento".
E lá pelo meio vi o gajo a quem dei o meu primeiro beijo (ele já tinha mais rodagem que eu na altura queria era aprender). Lembrei-me de toda a cena (e das seguintes) e dei por mim a louvar a linha excelente memória. Quando uma velhota disse à minha mãe que já não se lembrava de mim, digo eu "Eu quando for velha vou-me lembrar de tudo. Tenho muito boa memória!".

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Acho que devo ter percebido mal

(start minha sportinguista preferida, era impossível não falar disto)

Que algo vai mal no reino do leão já toda a gente percebeu... quer-se dizer, o Godinho Lopes ainda não!

 Mas querer contratar o Kléber, aquele gajo que veio para o meu "fêcêpê" fazer monte e ganhar dinheiro para coçar a micose e que até se lesiona sozinho, para ajudar a equipa é.. é... nem tenho palavras! É o cúmulo! Se é para meter dinheiro ao lixo, eu dou-lhe a minha morada e mandem-me um chequezinho para casa.

Música de baile

Chegou a casa e disse para eu me arranjar porque íamos sair. Por acaso gostava das nossas saídas porque estivéssemos nós no pior sítio possível, estávamos sempre bem. Quando descemos vi o carro do 'amigo colorido' dela e eu disse que se calhar era melhor eu ficar em casa  porque o gajo tinha a puta da mania e eu não estava com a mínima paciência para aturar merdas. "Ele trouxe aquele amigo do outro dia", respondeu ela. Afinal era uma saída a quatro. Uau! Rejubilei de alegria, ela é que não se apercebeu porque foi uma coisa interior. Fomos tomar café, conversar e a coisa até nem correu mal admito. O tal amigo conseguia manter uma conversa sem falar do quão bom era a fazer determinada actividade ou de como as gajas olhavam todas para ele no ginásio. Estávamos dentro do carro à porta de casa quando me diz para irmos até ao carro dele, estacionado mais atrás, para o casal colorido ficar mais à vontade. Eu disse que ia para casa, mas mudei de ideias quando ele se auto-convidou para entrar. Já no carro dele diz-me que  me quer mostrar uma música e para eu atentar na letra.

"Levo-te p´ra casa e desfaço a cama. Quero estar contigo a fazer amor este fim de semana." Nunca me vou esquecer desta letra bonita!

A saída a quatro acabou comigo a atravessar a rua a rir-me à gargalhada e dizer ao gajo que a música de baila não era a minha cena!



nota: este "acontecimento" da minha vida aconteceu no passado, mas serve para ilustrar as "grandes figuras" que me aparecem lolol