quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Liebster award


 Ora bem, hoje tenho um desafio para cumprir, graças à .Super Sónia. E vamos lá a isto que, tenho para mim, é coisinha para me obrigar a  pensar e ainda tenho de ligar o tico e o teco.

Primeiro as regras: 
1. Lista com 11 factos sobre mim
2. Responder às 11 perguntas que me atribuíram
3. Nomear 11 blogs com 200 ou menos seguidores, colocar o link dos seus blogs neste post e avisá-los sobre o prémio; 
4. Fazer 11 novas perguntas às bloggers que nomeei para o prémio

11 factos sobre mim:
. Gaguejo e já tive uma séria pancada por causa disso
. Adoro dormir até tarde
. Não sei nadar
. Adoro humor negro
. Nunca fiquei bêbeda ao ponto de não me lembrar de nada no dia a seguir
. Ando sempre a cantar 
. Detesto lulas mas adoro polvo
. Tenho sempre chocolate em casa e no trabalho (just in case)
. Não tenho sintomas nenhuns de TPM
. Não conduzo de saltos altos
. Quando não posso ver os jogos do FCP, ouço o relato
  
11 perguntas que me atribuíram:
Se pudesses falar com o teu ‘eu’ ha uns anos atrás o que lhe dirias?
"quando um gajo te disser que não acaba com a namorada porque ela está mal, mas que estão a dar um tempo... NUNCA acredites"
Que super poder é que terias?

Ser invisivel, como a Sue Storm dos Fantastic 4
Se pudesses erradicar alguém do planeta, quem seria?

Todos que recebem um subsídio do Estado quando podem perfeitamente trabalhar.. Ando eu a pagar taxas e sobretaxas para quando for velha nem reforma receber porque essa gente "mama" o dinheiro todo.
Porque é que há luz quando abrimos o frigorífico e não há no congelador?

LOL óptima pergunta! Porque no congelador está tanto frio que a lâmpada n
ao consegue acender?! 
Se pudesses ser um desenho animado, qual serias?

Navegante da Lua.. Ou o Sylvester para apanhar o Tweety
Porque é que os Kamikaze usavam capacete?

Para morrerem com o cabelo direitinho!!
Se pudesses ser uma DST, qual serias?

oh... aquela grande"patite"?
Qual era o teu segredo se entrases na Casa dos Segredos?

Cresci num ambiente de violência doméstica
Que objecto é que serias?

Um livro
Se pudesses mudar de vida com alguém, com quem seria?

Com alguém que ainda não conheço...
Se estás realmente a fazer isto, pelo trabalho todo, que recompensa é que gostarias de ter?

A chave do euromilhões! 

Blogs que nomeio:
Eva Maria 
Uba
Mam'zelle
Siceramente
Nem sabes no que te metes
Start
Estudante Amarelo
Reino da Noite
André
Rui Pi  
Serviços Mínimos  

(aos que já fizeram, não tenham o trabalho de repetir que eu vou ler :p)  
   
11 perguntas para vocês responderem:
1. Porque criaste o blog?
2. Se pudesses matar alguém, como o farias?
3. Se ganhasses o euromilhões, para onde viajas?
4. Se fosses um pecado mortal, qual serias
5. Se pudesses mudar a história, que acontecimento apagavass? 
6. O que querias ser quando eras criança? Conseguiste?
7. Tens medo da morte?
8. O que te faz ficar "vermelho" de raiva?
9. Carne ou peixe?
10. O que levavas contigo para uma ilha deserta?
11. Quantas vezes praguejaste ao responder a isto? 


Está feito. Prova superada!!!!   
 

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Coisas que me atormentam

Esta noite tive dificuldades em adormecer.
Não conseguia ter posição, o ressonar levezinho da minha cadela ecoava na minha cabeça e parecia que tinha um urso a rosnar ao meu lado.
E ali estava eu, à espera que o sono chegasse ou que o cansaço me vencesse, a pensar na vida e tentar encontrar soluções para as minhas dúvidas existenciais*:

1) O que fazia a sombra do Rei Leão no tecto do meu quarto?
2) O que é que hei-de fazer para ter uma vida mais estável?
3) Onde é que eu armazeno tanto muco?
4) Como é que a filha da vizinha arranjou um gajo daqueles e a mim ninguém me pega?
5) Como é que se ganha o euromilhões?

*não necessariamente por esta ordem...

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Na farmácia

Farmacêutico: Então e esta jovem com estes olhões.. O que vai desejar?
Eu (a rir): Olhe que isso pode ser mal entendido! Uma caixa de Valette, por favor.
Farmacêutico: Valette? Eu trago-lhe o baralho todo menina!
Eu: Deixa lá... Duques e cenas tristes já eu tenho!

(Na farmácia do costume, logo o senhor farmacêutico já me "conhece")

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Hey, little troublemaker.

Este fim de semana fui ao cinema ver Django. Que brutalidade de filme.. Meu Deus!
Valeu a pena estar desde as 21h à espera da sessão da meia-noite, sem margem para dúvida.
Vou apenas falar de uma ideia do filme (as críticas deixo-as para quem percebe muito mais de cinema do que eu): o preconceito.
Julgar as pessoas pela cor da pele, pela religião ou por outra coisa qualquer é do mais reles que há. E dói, dói muito mesmo,  pensarmos que somos inferiores ou que não somos 'normais' só porque não somos exactamente iguais às outras pessoas.
Falo por experiência própria, que lidei, e continuo a lidar, com a minha diferença: a gaguez!
(Eva Maria querias saber mais de mim não era? Pois este é o meu lado mais frágil.)

As crianças são a melhor coisa do mundo, mas conseguem ser muito cruéis de tão sinceras que são. Por isso, na escola era quase todos os dias gozada por "não falar direito". E se na infância era complicado, na adolescência a coisa assumiu maiores dimensões, chegando ao ponto de pura e simplesmente não falar para não gozarem comigo. Quando entrei para a faculdade, pensava que tudo ia mudar, afinal iria lidar com pessoas adultas. Não podia estar mais enganada. Foi tão ou mais difícil do que no secundário com a pergunta "porquê que vieste para jornalismo?" a pairar sobre mim. Cheguei a pensar mudar de curso, não o fiz. A psicóloga tinha-me dito que era tudo uma questão de auto-estima, que se eu acreditasse em mim que as coisas corriam bem, e se as coisas corressem bem ia gaguejar menos. Ou seja, um círculo vicioso. Eu só tinha de entrar no círculo.
Tenho perfeita noção de que nem todas as pessoas se riem dos outros, mas quando conheço alguém nunca sei o que me pode calhar na rifa por isso fico sempre com um certo receio. É esse o  meu maior problema: sou eu, muitas vezes, que crio o preconceito na minha cabeça. Aos poucos isto tem vindo a mudar, ando a recuperar a minha auto estima e, muitas vezes, as pessoas nem se apercebem que gaguejo. Mas eu nunca esqueço que o preconceito existe.

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Brigada do reumático

Depois dos rumores e de tanta especulação, decidi acreditar na vinda do Liedson para o Porto quando visse a coisa consumada. Já vi e ainda me custa a acreditar. Faz-me confusão, não por ser o 4º ex-sportinguista (dos últimos tempos, pelo menos) a vestir de azul, mas por achar realmente que aos 35 anos o "Levezinho" já terá pouca leveza nas pernas. E se é para dar oportunidade aos mais velhos, então é aproveitar a prata da casa. Ter o Paulinho Santos sentado no banco e não o meter a jogar contra o Slb foi muito mal pensado. De certeza que o Maxi pensava duas vezes antes de distribuir miminhos e com sorte ainda apanhava uma cotevelada capaz de lhe endireitar a fronha um bocadinho.


quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

"Eu pertenço à raça"

Dos sonhos mais estranhos que já tive, o do Hitler está, sem dúvida, no top dos melhores.
Estava num campo de concentração sobrelotado. Perfeitos desconhecidos, pessoas que vejo na rua e no metro, muitos familiares e amigos, havia gente para onde quer que eu olhasse. E não fazíamos nada, simplesmente esperávamos que alguma coisa acontecesse. De repente, ouço gritos e começo a ver pessoas a correr. Um alemão enorme com um uniforme nazi aproxima-se de mim e leva-me puxada por um braço. A minha mãe e os meus amigos choram. O alemão leva-me para um casebre e diz-me que eu não pertenço nas filas de espera. "Tu pertences à raça." Saio do casebre e vou ter com as minhas pessoas chegadas, que, não sei como, já não estão no mesmo sítio. Encontro as minhas amigas que me dizem que a minha mãe está dentro de uma sala qualquer. Ouço-a gritar. Sai de lá a chorar, com a boca a sangrar e sem dentes. Eu começo aos gritos. "Seus germânicos de merda!", "Seus filhos da puta". Umas seguram-me os braços, outra tapa.me a boca e a minha mãe, lavada em lágrimas, pede-me para estar calada. Quando me largam, eu digo-lhes que não há problema, que eu posso dizer o que me apetece porque "eu pertenço à raça"!


quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Assim não há condições!

Uma gaja toma a medicação certinha, que a tomo, e depois vaí-se a ver e a cara continua inchada.
Vou na quarta noite mal dormida porque enquanto durmo não me lembro que tenho dores  e todas as vezes que me viro e aterro com a cara na almofada até grito. E acordo! Acordo não sei quantas vezes durante a noite e de manhã levanto-me com a sensação de que fui atropelada por um camião. E as olhos? Os olhos estão mais esbugalhados do que os do Monstro das Bolachas e acompanham umas olheiras do tamanho do mundo. Eu preciso de uma noite de sono bem dormida...


terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Eu sou um anjo do Senhor

Não sou nem nunca fui escuteira, mas sou um anjo do Senhor na mesma.
 (nota-se que vi a saga Balas e Bolinhos ultimamente não?)  
E melhor do que ajudar as velhinhas a atravessar a rua, só mesmo dar boleia a uma velha.
Estava eu a pagar a minha consulta no dentista, consulta essa que paguei para me dizerem que tenho de desvitalizar um dente mas primeiro tenho de tratar da infecção que me afecta todo o lado direito, quando uma velha que lá estava em amena cavaqueira com outra senhora se mete comigo.

Velha - Ó menina por acaso não vai para os meus lados ora não?
Eu - Desculpe, eu conheço-a?
Velha - Não, mas podia ir para aquele lado.
Eu - Mas para que lado está a falar?
Velha - Ali pr'os lados do Continente. Passa lá?
Eu - Por acaso passo, mas...
Velha (interrompendo-me) - Veja lá, não lhe quero dar trabalho!

E, confesso, a velha desarmou-me ali com aquela lata fantástica.
Já dentro do carro, a conversa durou apenas uns minutos mas foi rica em informação.

Velha - Tenho 4 filhos menina, mas não gosto de os chatear na vida deles! E o meu marido, aquele filho da puta (ela lá saberá do que fala) podia vir buscar-me mas não.
Eu  - Deixe lá, assim também não o atura tanto tempo.
Velha - É casada menina?
Eu - Não senhora, ninguém me quer!
Velha - Ai com esses olhos azuis, havia de ter um filho solteiro menina! Ainda ficava minha nora.
Olhe pare aqui, pare aqui.
Eu (já com o carro parado) - Pronto, está entregue!
Velha - Que Deus lhe dê muita saúde.
Eu - A senhora viu-me no dentista.. saúde é do que eu preciso!
Velha - Pois é! E de um homem bom que trate de si menina!

E pronto! Só falta esperar que chegue tudo LOL

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Dói-dói Trim Trim

Passei o fim de semana em estado de hibernação, qual ursa!
Mantinha, cházinho, cadela a ressonar a maior parte do tempo e tudo estaria perfeito se não fosse ESTA PUTA DESTA DOR DE DENTES!!! (ou se tivesse ao meu lado um gajo decente e bom e que me aquecesse e .. coiso)

Vai ao dentista, dizem vocês do alto da vossa sabedoria!
E dizem muito bem.. mas confesso que ir ao dentista é das coisas que mais abomino nesta vida.
A última vez que lá fui, estive mais de 10 minutos a massacrar o "dótor" com perguntas acerca da anestesia e da sua rapidez de actuação porque preferia ficar com o lado direito da cara paralisado do que sentir uma picada que fosse.

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Dizer ou não dizer.. Eis a questão!

Gajo fala com gaja num chat. Têm amigos em comum mas nunca se cruzaram nem nunca ouviram falar um do outro. Falam um dia, depois outro, depois outro e quando dão conta falam todos os dias. Sentem a falta da "companhia" do outro quando passam horas online e não se falam. Trocam números de telemóvel. Trocar mensagens já não chega, é e sabe a pouco. Têm de ouvir a voz um do outro. Marcam um encontro para finalmente se verem. No fim do encontro ele diz-lhe que superou todas as expectativas. Ela diz que gostou muito de o conhecer. Continuam a falar-se todos os dias. Ele diz-lhe que gosta dela. Ela gosta dele mas não lhe diz, tem medo de estar a confundir tudo. Falam dela, ela conta-lhe a sua vida e como já sofreu por amor. Ele não lhe conta nada dele, diz-lhe que não há nada para contar. Continuam a falar-se, a fazerem companhia um ao outro, a habituarem-se um ao outro. Ele diz-lhe que lhe quer contar uma coisa porque sente que se andou a esconder e não quer mais fazer isso. Conta-lhe que tem outra pessoa, que a relação não está bem e caminha para um fim há muito anunciado.

Ela, a minha amiga, não admite, mas fica triste.

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Petiscos

Ele há os rojõezinhos, ele há o chouriço, ele há as moelas. Ele há ainda os rissóis, as empadas e os pastéis de bacalhau... Agora quem é que no seu perfeito juízo aprecia bifanas com marmelada? Para mim nunca será um petisco, mas sim uma combinação muito estranha.


Tal dona, tal cadela

Ainda não tinha conseguido estar com aquela supera amiga desde o Natal. Ontem foi o dia.
Depois de jantar, fui ter com ela e levei-lhe um belo chocolatinho suiço que tinha trazido da viagem. Como é óbvio, trouxe chocolates a mais para abastecer o meu stock pessoal, stock esse que foi "atacado" pela minha cadela.
Quando cheguei a casa, a gaveta estava a aberta e foi só seguir o rasto do papel de alumínio até dar com ela refastelada no sofá com o focinho cheio de pequenos vestígios do crime. Dizem que os cães ficam parecidos com os donos não é? Ou é o contrário?

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Gosto de sorrir na rua e não tenho medo que pensei que sou tolinha.
Gosto de música e de cantarolar o dia todo.
Gosto de sorrir ao lembrar-me de momentos passados.
Gosto do cheiro das laranjas e dos sumos naturais.
Gosto de me rir até doer a barriga, mas não gosto de circo e detesto palhaços.
Gosto de olhar as nuvens e adivinhar formas.
Gosto de abraços apertados, daqueles que quase partem costelas.
Gosto de chá e de chocolate quente e ficar quietinha a bebericar.
Gosto de caminhar à chuva, mas aquela chuva miudinha.
Gosto daqueles dias muito frios, onde o cachecol e o gorro e as luvas são mesmo necessários, mas o céu está muito azul e o sol brilha.
Gosto do mar no inverno, muito agitado.
Gosto  de andar de avião ao nascer do sol.
Gosto de acordar por mim,  sem despertador nem ninguém a chamar.

Isto parece o "alta definição", mas estou tão irritada que só pensando em coisas boas é que a coisa lá vai hoje!

A chuva e o grelo

Depois do educado "Bom dia" disse ao senhor do café que devia dar muito apreço a clientes como eu e a minha colega de trabalho que, com este temporal (sim, no Porto a coisa está preta hoje), caminhamos até lá quando temos outro café mesmo na porta ao lado do escritório.

"Oh menina, esta chuva é boa para o grelo", foi a resposta dele.
É por estas coisas que eu vou a este café!

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Marcas estranhas

Não gosto que me olhem fixamente. Sinto-me incomodada e começo logo a pensar no que raio terei colado na cara ou no cabelo para que estejam a olhar para mim. O caso piora, aliás ganha proporções drásticas, quando estou a tomar banho no balneário da piscina e sinto um olhar colado em mim. Estava a secar-me quando a minha irmã vem ter comigo e me pergunta o que raio andei a fazer para ter umas marcas estranhas nas coxas. "Uma noite violenta" digo-lhe a rir. Ela olha para mim muito séria e diz-me para falar a sério porque também ela reparou que a outra gaja não tirava os olhos de mim. "Ainda vai pensar que foste violada", diz-me ela. Lá lhe expliquei que as marcas estranhas são marcas de amor feitas pela minha cadela, que, mal ouve o portão da rua, começa a correr desenfreadamente e só pára quando me põe, literalmente, as patas em cima.

Let's Go Crazy

É uma publicidade à Coca-Cola mas não deixa de ser inspirador. E eu preciso de inspiração...



segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Não se brinca assim com o íntimo de uma pessoa

Vai uma gaja (eu!) toda sorridente, cheia de esperança e bons sentimentos clicar em  
Watch the season premiere now da série Shameless 
e a pensar "quem é que precisa de televisão ou de downloads?" 
 e eis que aparece o aviso  
"o remetente não disponibilizou este vídeo no seu país"
Não se brinca assim com as pessoas. Tenho lá culpa de estar em Portugal...

O futebol e as gajas

Há uns anos atrás arranjei bilhetes para ir ao Dragão. Levei duas amigas e quando dei conta estavam elas a falar da nova colecção da Zara e dos novos vernizes não sei do quê. Deveria ter aprendido com este episódio e não ver jogos com quem não gosta de futebol, mas ontem tinha um jantar (de Natal) e teve mesmo de ser. A certa altura estava eu completamente alheada do jantar e das conversas paralelas e concentrada na televisão. Quando o árbitro não mostra o segundo cartão ao Maxi, aquele emplastro disfarçado, solto um "grandessíssimo filho da p*ta" e ainda ouço um "Ai não sejas assim"...
No fim do jogo, eu chateadíssima, não pelo empate mas porque no fim com aquelas substituições bonitas demonstramos ter medo deles (medo, onde já se viu???), apercebo-me finalmente das conversas paralelas: o penteado da gaja da mesa ao lado, a mala da outra gaja e a importância das unhas de gel.

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Ai o carago já!

Que o meu "fêcêpê" não anda a fazer exibições de encher o olho até concordo, agora dizerem que não tem categoria para ganhar ao slb é que não admito. Mesmo que não conheça a pessoa que vociferou tal preciosidade, que não conheço de lado nenhum, é o suficiente para lhe dar resposta...
Ninguém o mandou meter-se na minha conversa com o senhor do café, senhor esse que na segunda feira me irá oferecer os cafés se o fêcêpe ganhar.

Feiras

O único comentário que eu vou fazer sobre aquele assunto a moda é este:
. feira da Povóa de Varzim  » segunda
. feira da Senhora da Hora » sábado
. feira de Barcelos » quinta
. feira de Vila do Conde » sexta
. feira de Espinho » segunda

Do que há.. não falta!Channele, Doce & Cabana, Louis Biddon....

(Na faculdade admirava uma prof. que se vestia super mega hiper bem e andava sempre muito bem arranjada, desde maquilhagem a acessórios tudo naquela mulher inspirava classe. Num belo de um sábado uma amiga viu-a na feira da Senhora da Hora carregadinha de sacos. A queda de um mito.)

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

A primeira vez

Minha querida e adorada tia pediu-me para falar com a filha de 14 anos (ou será 15?!) sobre a primeira vez. A minha primeira reacção foi rir-me e dizer-lhe que a filha era dela, logo quem deveria fazer isso era ela. Desculpou-se dizendo que não sabe o que lhe dizer e eu disse que falaria com ela se fosse ela a vir falar comigo porque não quero que a miúda pense que sou a PIDE e que ando numa de a controlar e censurar. Minha querida e adorada tia não ficou muito convencida e disse que isso poderia demorar demasiado tempo e depois ser tarde. "E quem te garante que a primeira vez dela já não aconteceu?" perguntei eu. Alarmada, disse que ia estar atenta a essas coisas porque a filha de não sei quem engravidou cedo e não quer que aconteça o mesmo à filha. Acabou a conversa a dizer para eu pensar no que ela me pediu.
E eu pensei, admito. Pensei na minha primeira vez e no quão boa foi lol De modos que se falar com a miúda o mais provável é que a primeira vez dela, se ainda não aconteceu, aconteça mais rápido. E algo me diz que não era bem isto que a minha querida e adorada tia tinha em mente.

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Bananas

Quarentona: Tenho fome! Oh jeitosa não tens nada aí que se possa comer?
Jovezinha (aí com os seus 16/17 anos): Aieeee.. só uma maçã
Jovenzinho (no máximo com os seus 25): És tão burra.. a tua mãe só gosta de bananas!
Quarentona: Oh amor não digas essas coisa que me dá vontade...
Jovenzinho: Sai daí.. Deixa-me ir para a beira da tua mãe para lhe apertar os cascos!

Conversa verídica em pleno metro! A carruagem inteira ia de ouvidos postos nestes três... Não percebo muito bem porquê lol

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Oi? Hein?

Depois de ter deixado de falar comigo sem razão aparente... Depois de ter ignorado todas as minhas chamadas e mensagens a pedir me explicar o que se estava a passar... Depois de se ter afastado de todas as formas possíveis... Depois de virar as coisas contra mim quando o confrontei com o facto de ter sido a outra... Depois de ter escrito um post no FB a dizer mal de mim... Depois de me ter bloqueado no FB porque, segundo disse à minha melhor amiga, nunca me fez mal nenhum mas eu não falava com ele... Depois de eu lhe ter enviado um e-mail no qual tento explicar o meu lado porque era a única forma que tinha de falar com ele e nunca me ter respondido

Eis que agora, do nada, me envia um pedido de amizade no FB?
E depois eu é que não regulo bem?
Que se vá lamber!

Sem ar

Hoje sinto-me literalmente a sufocar. Quando era mais nova, tinha bronquite asmático e foram muitas as noites que passei no hospital, mas desde há uns anos que não me dá nenhum ataque.
Ontem foi dia de hidroginástica e notei que a água estava mais fria do que o normal (se bem que podia ser só impressão porque mal entro na água arrepio-me toda e fico logo a apontar ao Senhor).
Anyway,.. não sei a razão, mas sei que esta noite acordei várias vezes com falta de ar, com um aperto no peito e com sérias dificuldades me respirar. De manhã andei a snifar o vapor da água quente do duche e fiquei melhor, mas continuo com uma "chiadeira" no peito.
E queria eu que algum homem lindo e maravilhoso me tirasse o ar? Naaaa... A bronquite trata disso!

segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

Loucura

A essência das pessoas não se vê nos maus momentos nem em tempos de crise e muito menos quando uma amigo precisa. Isto não passa de um mito urbano.
A verdadeira essência das pessoas vê-se nos saldos. Qual selva africana, a espécie dominante ronda a sua presa examinando-a durante largos períodos de tempo, nada é deixado ao acaso, tudo é visto ao pormenor. Quando outra criatura se aproxima é, desde logo, intimidada por um olhar feroz. Aquela presa já tem o seu destino marcado e nada vai impedir o curso natural das coisas.

Os saldos são assim: uma loucura de caçadores e presas, com empurrões, cotoveladas e insultos. E juro que eu não queria tirar nada a ninguém nem passar à frente de ninguém. Eu só queria pagar umas meias... sim, um mísero par de meias..

quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Balanço

Renunciei às superstições, mas confesso que acabei o ano a fazer o típico balanço. É o que dá passear pelas ruas de Zurique sozinha e ter tempo para juntar o Tico e Teco aqui dentro. Se 2011 foi o pior ano da minha existência, 2012 foi um ano de recuperação. Fiquei a conhecer melhor as minhas fraquezas e descobri forças que sinceramente não pensava ter.

Acabei o ano de cabeça arrumada e de coração aberto. É assim que quero continuar em 2013. Tudo o que vier por bem será muito bem vindo. O que me fizer mal será filtrado e arquivado. Não posso querer na minha vida pessoas que não têm um pingo de consideração por mim e colocar-me em primeiro lugar é a minha maior vitória de 2012. A minha auto-estima agradece e, depois de muito tempo a rasar o chão, começa finalmente a dar sinais de vida.

Não sou melhor do que ninguém, mas também mereço um lugarzinho ao sol. 2013 bring it on!!! I'm ready for you...

(e para um Vítor Baía, um Hugh Jackman... também! Tem é de ser um de cada vez que a minha saúde já não é o que era.. A idade, a p#%& da idade! )
octogenário

octagenaria In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2013. [Consult. 2013-01-02].
Disponível na www: <URL: http://www.infopedia.pt/pesquisa-global/octagenaria>.
octogenário

octagenaria In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2013. [Consult. 2013-01-02].
Disponível na www: <URL: http://www.infopedia.pt/pesquisa-global/octagenaria>.octogenária
octogenário

octagenaria In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2013. [Consult. 2013-01-02].
Disponível na www: <URL: http://www.infopedia.pt/pesquisa-global/octagenaria>.
octogenário

octagenaria In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2013. [Consult. 2013-01-02].
Disponível na www: <URL: http://www.infopedia.pt/pesquisa-global/octagenaria>.

Entradas

Este ano não houve uvas passas nem brinde com champanhe. Duas coisas que eu, aliás, detesto, diga-se em boa verdade.
Este ano não pedi os doze desejos nem saltei da cadeira para aterrar com o pé direito. Também não usei nada novo nem cuecas vermelhas para atrair amor ou sorte ou lá o que os "entendidos" na matéria dizem que é preciso.

Este ano pus de lado todas as superstições. Aproveitei apenas o momento e entrei no novo ano numa cidade estranha, mas em companhia muito familiar. Ri até me doer a barriga, sorri a desconhecidos, acenei a quem me acenou só porque sim... E lá, no meio das 200mil pessoas esperadas, percebi que a única coisa que realmente quero é ser feliz!