sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

Férias de natal à la estudante!

Os meus tempos de estudante já lá vão. Há nove anos que não sei o que é ter aulas nem trabalhos de grupo nem notas finais, mas há uma coisa que se mantém: férias de Natal. Há lá coisa melhor do que acordar e ficar na sornice com o vento a abanar as árvores lá fora e a chuva a bater na janela?

E eu, como boa grinch que sou, não escrevi nenhum post de "Feliz Natal", mas vocês sabem que vos desejo tudo de bom, não só em Dezembro mas durante o ano todo :) E espero sinceramente que se tenham empanturrado de ferreros rocher, de sonhos e de pão de ló, tal como eu fiz :)

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Ode ao Inverno

O sol brilha e a vida é bela.
A terra gira e o frio congela.

O vento sopra e a árvore esvoaça.
Os cães ladram e a caravana passa.

As folhas caem e o corpo estremece.
A manta é fofa e o chá aquece.







quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Montar

- Botas à cavaleira.. sim senhor. Vai montar?
- Só se for andaimes!

Ainda bem que o carteiro se mete comigo logo de manhã!

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

Decididamente.. Grinch!

O espírito natalício é uma cena que não me assiste. A maior parte das pessoas que conheço anda completamente assoberbada com a compra dos presentes/ lembranças de Natal (depende das carteiras,obviamente), com as decorações de Natal em casa e no trabalho e, até respiro fundo, com a ementa para a ceia de Natal. Eu,eu ando tão a leste destas coisas todas que só de pensar nisto sinto náuseas.
Mas como o comer e o coçar vão de começar, decidi fazer decorações de Natal. Isso e já estar farta que me perguntem porque raio não tinha uma árvore de Natal em casa. Ora, a árvore de Natal do ano anterior é das médias, mas este ano parecia-me demasiado grande. Solução: espetar a parte de cima da árvore do ano anterior num pequeno vasinho e tcharan.. uma pequena árvore em cima do móvel da sala para calar os mais sedentos de decoração. Agora irão perguntar-me pelo belo do pisca pisca que não tenho.. A electricidade está cara, será a resposta.


quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Vamos fazer um exercício!

Imaginem a seguinte situação:
- Duas pessoas que não se conhecem, mas com uma amiga em comum, começam a trocar comentários nas redes sociais, precisamente no mural dessa amiga em comum. Fica decidido um cinema a três para todas as partes se conhecerem. A pessoa em comum não sabe que entretanto as outras duas (uma gaja e um gajo) já trocaram números de telefone e dois dias depois da tal troca de comentários combinam ir ao cinema apenas os dois, deixando a amiga em comum de fora.

O que fariam se fossem a tal amiga em comum?


(Detalhes que podem, ou talvez não, ser importantes:
          . A amiga em comum anda enrolada com o gajo e a outra gaja sabe disso;
          . As duas gajas são amigas íntimas à muitos anos)
     

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

Para quem ainda não reparou, eu informo...

... eu sou um ser humano!
Sim, tenho sangue a correr-me nas veias (vermelho, que blasfémia)...
Sim, tenho ossos (diz que são 206,mas nunca os contei admito)..
Sim, tenho músculos (ainda que preguiçosos, mas estão cá)...
E sim, tenho sentimentos! E não é pelo facto de estar sempre a cantar (CM tenho de admitir que concordo contigo quando dizes que aquela música fica na cabeça) e de ter sempre um sorriso nesta meretriz desta cara que esteja sempre feliz. E há coisas que mexem comigo e que me fazem sentir uma perfeita inútil....

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Mas falemos de coisas bem melhores..

"... a Laurinda faz vestidos por medida. O rapaz estuda nos computadores. Dizem que é um emprego com saída."

Nem tudo me corre me mal. Ainda no passado sábado assisti ao jogo FCP X Braga em pleno camarote, com direito a conhecer um antigao jogador - o Bandeirinha-, a jantar e a camisola oficial do meu clube. Antes do jogo, estive no relvado a ver o aquecimento e fui cumprimentada pelo "deus" Paulinho Santos. 

Irei continuar a participar em passatempos e da próxima vez que lá for, entregarei o meu CV a alguém lá de dentro. Mais "tacho" menos "tacho"...


segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

.|. para ti karma

E depois de eu dizer que a semana estava a ser uma merda e que a minha vida estava um caos o que é que acontece? O karma aparece e lembra-me que pode sempre ficar pior... E como é que ele, o karma, me lembrou disso?! Fácil.. No fim de semana, paro o veículo numa passadeira e pumbas! bateram-me por trás!
Eu dizer mal da minha vida nos próximos tempos? Hell, No!! A minha vida é óptima, fantástica e maravilhosa.. Até ao infinito e mais além!

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Os deuses devem estar loucos!

No meio deste caos que a minha vida se tornou (hoje não consigo ver o copo.. nem meio cheio, nem meio vazio nem o raio que o parta!), há coisas que me fazem perceber que não é só a mim que os deuses teimam em trocar as voltas.. O mundo todo anda fodido!
É a única explicação que eu arranjo para tanta coisa fodida que vejo a acontecer. Ele é o orçamento de estado, ele é quererem plantar nabos na lua,ele é o Quaresma vir para o FêCePê... os deuses devem estar loucos!!!



(Da minha vida, não me apetece falar.. ia praguejar em execesso e não quero ferir susceptibilidades, foda-se!!)

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Trintona

"Já sentes o peso da idade?"... É a pergunta mais ouvida dos últimos dias! Ea resposta é não, um grande e redondo NÃO! Sempre achei que a minha idade mental é, em muito, inferior à real e não é por fazer 30 que a criança que há em mim vai desaparecer. Sou e serei sempre a "parva" de serviço, a que anda sempre com um sorriso na cara, a cantarolar qualquer melodia e a tentar fazer sorrir toda a gente! Se tenho a vida com que imaginei? Não, não tenho... mas não é por sorrir menos ou por deixar de ter esperança nas pessoas e na vida que os meus problemas vão desaparecer. E nunca substimo o poder de uns bons palavrãoes quando os problemas teimam em aparecer.

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

De repente.. já nos 30!

Há muito, muito tempo.. Era eu uma criança!!




Sim, acordei com esta música na cabeça hoje.. Acho que o facto de fazer 30 anos hoje pode ter alguma coisa a ver com esta escolha musical.. Diz a minha mãe que já tenho idade de me "arrumar"! Eu gostava mãe, a sério que gostava! Mas se saio de casa e vou morar sozinha com quem é que tu discutes depois hum? E a quem é que tu, ano após ano, repetes a história da parteira a quem disseste "Ai a minha filha é tão feia" quando ela me pôs nos teus braços?

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Não tenho paciência para estas merdas!!


- Ontem fui almoçar à beira mar! Faltava a tua companhia paa ser uma hora de almoço muito bem passada.
- Eu diria que almoçar à beira mar é uma sorte!
- O mar faz-me lembrar os teus olhos..
- Estava bravo?


terça-feira, 26 de novembro de 2013

Uns com tanto...

É depois de ler coisas como esta que penso na maravilha que deve ser não ter preocupações com dinheiro. E enquanto uns andam aí  a comprar um lanço de escadas da Torre Eiffel, eu cá ando a contar tostões para pagar o seguro do carro, os dois pneus da frente e o resto das despesas normais! E isto tudo sem dia certo para receber... oh vida cruel!

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

O tamanho importa?

Na hora de almoço falou-se de alturas entre casais. E afinal o tamanho importa ou não importa? Eis a questão...
Eu pessoalmente não acho muita piada a que ele seja mais baixo do que ela, mas mais baixo com a uma diferença considerável, como a Nicole Kidman que quase podia pôr o Tom Cruise debaixo do braço.. Já o contrário acho adorável, não me perguntem porquê!
Eu, que não sou nenhum poste de electricidade mas também não sou baixa, nunca tive nenhum namorado capaz de me meter debaixo do braço, mas já houve quem me surprrendesse e subisse para cima de três escadinhas para me dar um beijo... E eu achei muito fofo na altura lol

Um almoço de família muito normal.. ou não! (2)

Avó: Come que estás muito magrinha!
Eu: Quem te ouvir até parece que sou um saquinho de ossos..
Tia-Avó: Olha que os rapazes gostam de ter ao que agarrar..
Avó: E como é que tu sabes? Foste sempre magra!
Tia-Avó: Se eu me agarrassem... Agarrava-me eu a eles!

Na sobremesa, já depois do meu primito ter comido duas mousses de chocolate:
Prima: Já foram duas.. Chega!
Avó: Quando fores maior depois comes o que te apetecer.
Tia-Avó: E as vezes que te apetecer.. duas, três, quatro...
Avó: Agora nem uma e tu falas em quatro..
Tia-Avó: Deixa-me sonhar...

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

"Quem guardará os guardas?"

Fazer um directo em televisão é o equivalente a jogar na lotaria: ou se tem sorte e a coisa corre bem ou, pelo contrário, a coisa descamba e tem tudo para correr mal. Ontem, e na minha opinião, o directo da RTP da escadaria do Parlamento correu mal. A jornalista, que sinceramente não me lembro o nome, falou dos agentes das várias forças policiais como se fossem seres superiores aos comuns mortais, chegando mesmo a proferir a seguinte frase: "este não é um protesto de cidadãos comuns". Os agentes policiais têm todo o direito a manifestarem-se, aliás tal como todos nós os comuns mortais, mas se não se diferencia professores, desempregados, enfermeiros, médicos, reformados e todos os outros "grupos" que já se manifestaram em frente ao Parlamento, vamos diferenciar os policias porquê?
Já me disseram que um polícia é sempre um polícia mesmo não estando de serviço e, como tal, pode intervir em situações que considere necessário. Assim sendo, pergunto eu: não deveriam ter mantido a calma ontem na manifestação, dando assim o exemplo aos "outros" que se exaltam nas manifs? Quantas vezes não ouvimos o porta voz das forças de segurança fazer o balanço de uma qualquer manifestação e dizer que os manifestantes não podem desrespeitar as autoridades? Ontem os manifestantes invadiram a escadaria.. Isso não é desrespeitar os agentes que estavam ao serviço?

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

A adolescência e as suas pancadas!

Boysband!
Não todas em geral mas uma em particular: Backstreet Boys.
Sim, eu admito que comprava a Super Pop todas as semanas e a Bravo e todas as revistas em que estivesse publicada alguma coisa, se tivesse foto tanto melhor, sobre aqueles cinco rapazes. A pancada era tão forte que pensei mesmo em fugir de casa para ir ver o primeiro concerto deles em Lisboa. É óbvio que não lever a ideia avante.. Aos 15 anos não pensava em tudo na vida, mas sabia que sem dinheiro não ia longe e nunca tive mesada na minha vida. De maneira que a ideia seguinte foi participar em tudo o que era passatempo para ganhar bilhetes para o concerto e depois usar argumentos como "hey só têm de me pagar a viagem que já ganhei o bilhete" ou "o bilhete era mais caro do que a viagem e só peço que me paguem a viagem". Também esta ideia caiu por terra quando não ganhei passatempo nenhum. Agora, à distância, rio-me só de pensar na quantidade de lágrimas que derramei no dia do concerto porque, como é óbvio, os meus pais mandaram-me à merdinha com um cesto e eu fiquei chateadíssima com eles. "Quando ganhares o teu dinheiro, vais ver quem tu quiseres", disseram eles. Anos mais tarde, em 2008 (ou terá sido antes?), numa altura em que já nem sequer sabia quantos eram nem que músicas tinha o último álbum, fui a Lisboa de propósito para ver o concerto deles. E fiquei espantada pela quantidade de mulherio da minha idade que lá estava...

E agora quem nunca ouviu boysband/girlsband que me atire a primeira pedra!!!

Oh Magoo, you've done it again!

E quem é que hoje adormeceu no metro e saiu duas estações depois daquela em que era suposto sair? Quem foi? Eu, pois claro!
Longe vai o tempo em que adormecia desta maneira e deixava a minha estação passar. O corpo e a mente habituam-se e depois daquele período de adapatação, em que por exemplo era preciso o condutor do veículo me vir acordar ou os seguranças (também já aconteceu), estava tudo perfeitamente controlado: adormecia e acordava exactamente na estação anterior à minha. Hoje isso não aconteceu e lá segui viagem...

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

A minha vida não seria a mesma sem os transportes públicos

"Oh Bé não há lugar, vá segura-te aqui" disse ele mesmo à minha frente e eu, concentrada na leitura até então, levantei a cabeça e lá estavam eles, um casal de idade com ele muito preocupado por não haver um único lugar vago naquele metro. Eu e o jovenzinho sentado ao meu lado levantámo-nos ao mesmo tempo para lhes dar o lugar e diz o senhor:
- "Um lugar para ela chega."
Eu digo para ele se sentar à beira dela e ele, com um ar muito indignado, responde:
- "Está a chamar-me de velho?"
- "Experiente!", respondo eu a sorrir e ele acompanha-me na garagalhada.
Ele pergunta a mim e ao jovenzinho de onde somos e conta que nos seus tempos rapaz passava grandes temporadas na praia a "galar as moças". Ela diz que quando o conheceu ele tinha muita treta, mas que ela rapidamente lhe baixou a crista. Falam de como era mais fácil ser jovem no tempo deles, de como tinham opções de escolha no que ao trabalho diz respeito e lamentam que agora os jovens tenham de "agarrar o que houver", mesmo que não seja aquilo que querem fazer ou que estudaram para ser.
Algumas estações à frente, o jovenzinho que ia sentado ao meu lado prepara-se para sair. "Obrigado pelo lugar e tenha um bom dia". E depois, dá a mão à mulher e diz:
- " Já não se fazem amores como o nosso. Então a menina não se despede do seu namorado?", pergunta-me ele.
- "Namorado? Mas eu nem sequer conheço o rapaz", respondo eu.
- "Mania que tu tens de arranjar casamentos homem", diz a esposa.
- "Na idade deles têm mais é de namorar querida.Não lhe achou piada menina? Amanhã senta-se outra vez ao pé dele", diz-me ele com um sorriso maroto.
- "Não olhei bem para ele, mas pareceia-me demasiado novo", digo eu.
- "Não olhe para mim menina, eu estou muito bem servido há muitos anos!", diz ele enquanto dá palmadinhas na mão da mulher.

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Sou herdeira (ou posso ser vá) de uma grande fortuna!

Decorria o ano de 1955 quando Dona Avó, actualmente com 81 anos, se envolveu com o filho dos patrões. Trabalhava como criada na casa de uns ricaços lá da aldeia e engraçou-se por um dos filhos do patronato que mal soube que a tinha engravidado lhe fez promessas e mais promessas e só lhe pedia uma coisa em troca: não contava nada aos pais dele. Ela assim fez e perante a ameaça de ser despedida se não contasse quem era o pai da criança, não só foi ela a despedir-se como ainda teve de enfrentar a fúria da mãe que, com a vergonha, só não a  espancou porque as outras filhas se meterem ao barulho. Nos princípios de 1956 e minha mãe veio ao mundo e do pai, entretanto "fugido" para a Venezuela, nem sinal.

Actualmente, não há ninguém na aldeia que não saiba que ela é filha dele, mas ele não só não a reconheceu como diz que não é ele o pai. Aliás, é gajo para atravessar a rua se nos vir só para não passar perto de nós e ter de olhar para a nossa cara. A mim nunca fez diferença, já que cresci a chamar avô ao marido da minha avô (casaram já a minha mãe tinha perto de dez anos). A minha mãe foi falar com ele e disse-lhe que gostava de ter a certeza se é filha dele ou não ao que ele respondeu que não é. Quando ela disse que só podem ter a certeza se fizerem um teste de paternidade, ele disse que não faz teste nenhum. Ela agora quer ir para tribunal. E isto ainda vai dar uma grande novela venezuelana...

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Momento terapêutico do dia

Permitam-me um pequeno momento de descontração no meio de tanto caos. E porque há poucas coisas mais libertadoras do que um "Foda-se", mas que não estão ao meu alcance neste momento, permitam-me dizer alto e bom som:

AH FODA-SE!!!!!


quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Instintos violentos

Uma das vantagens de apanhar o metro depois da hora de ponta é aquilo ir mais calmo. Sentada perto das portas (tenho uma paranóia e escolho sempre os lugares mais perto da porta, admito), ocupo o tempo da viagem a ler e dá sempre jeito não ter uma quantidade de adolescentes histéricos a tratarem-se por "manos" e a manderem-se para o caralho de cinco em cinco segundos ou bebés a chorarem desalmadamente enquanto as mães estão na conversa e fingem que não ouemos filhos. Estava um ambiente calmo e tranquilo e ia concentradíssima na leitura quando ouço aquela música irritante a aproximar-se. O jovem, com um boné pousado na cabeça, pousado e não enfiado porque são coisas diferentes, e os boxers quase todos a ver-se já que as calças lhe caiam pelo rabo mas "afunilavam-lhe" nas pernas, não tinha phones e portanto a música, um set qualquer de um dj qualquer, se ouvia perfeitamente. Aquilo desperta o lado violento que há em mim.. E conseguia arranjar variadíssimas formas de o matar, mas uma morte muito violenta, que o fizesse implorar por um golpe de misericórdia.. E estava eu a pensar qual a melhor forma de lhe partir a boca quando alguém grita "oh anormal baixa lá essa merda". E o jovem mudou de carruagem.

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

A falta que um gajo faz

Tenho uma amiga que diz que tem de arranjar namorado porque os perfumes bons estão a acabar. Já eu, eu quero lá saber dos perfumes.. Quero é que me dê banho e me seque o cabelo nos dias de Zumba. Aquilo cansa-me tanto que me arrasto completamente até ao banho e fico ali uma eternidade à espera que a força da minha mente seja poderosa o suficiente para fazer a esponja mexer-se sozinha. O mesmo se passa com todo o processo de secar o cabelo...



terça-feira, 12 de novembro de 2013

Macacos me mordam

Aquele momento em que me recosto no banco e aumento o volume da música. O sol bate-me na cara e eu fecho os olhos. Aquele momento perfeito em que esqueço tudo.. Sou só eu, o sol e a música! E fico tão perdida neste meu mundo que quando dou por mim estou a cantar alto o suficiente para incomodar a pessoa sentada ao meu lado. Tenho lá culpa que estes macacos não me saiam da cabeça...



segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Vamos falar de amor

Puxa de um cigarro e segura-o nos dedos. Passa largos minutos a brincar com ele, a sentir-lhe a textura por entre os dedos até que o acende e, demoradamente, fuma aquele cigarro com um olhar triste e melancólico. Diz que sentir o sabor do tabaco fá-la sentir o gosto do beijo dele e que essa é a única razão que a leva a fumar um cigarro de vez em quando. Não é viciada em tabaco, é viciada nele e é quando a saudade aperta que puxa de um cigarro e se deixa levar por aquele cheiro e por aquele sabor tão familiares...
Quando fala dele os olhos brilham e a cara ilumina-se! Conta histórias do passado, histórias com mais de quinze anos de um namoro que começou as escondidas mas que acabou em casamento. Diz que não conseguia imaginar a vida dela, e a dos filhos, sem ele e que por isso o perdoou depois de descobrir a traição. Não esconde o quanto lhe custou ultrapassar aquela altura difícil, mas acrescenta que o amor vence tudo e que foi isso que fizeram: venceram tudo, juntos. Mas até quando fala dos momentos menos bons tem um brilho diferente no olhar. Falar dele fá-la senti-lo mais perto, como se estivesse sentado à mesa do café connosco e essa presença, ainda que fugaz, fá-la sentir-se bem. Tudo o que ela queria era tê-lo ali ao lado dela, como estiveram tantas noites ali sentados naquela café em frente para o mar. Não chora, mas a tristeza sente-se na voz e no olhar. Diz que agora é tudo novo para ela, ele foi o primeiro e o único homem da vida dela e agora tem todo um novo mundo para descobrir, mas o plano não era esse;  o plano era ver os filhos crescidos e depois terem tempo um para o outro e para descobrir tudo o que fosse para descobrir, mas juntos. Desde Janeiro que um vazio enorme lhe cresce no peito, desde Janeiro que não ouve a voz dele nem sente o seu toque. Desde Janeiro que não sabe como tem aguentado a morte dele...



Nunca sei o que dizer quando a ouço falar dele, mas a intensidade do amor dela é tal que dou por mim a acreditar que ainda há amores que valem a pena. Ela tem 36 anos, tem muitos anos pela frente, mas nunca irá esquecer os anos que já passaram.




sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Das festas de faculdade

Ok, eu admito.. Eu fui a festas da faculdade! Lembro-me de uma em especial porque ainda hoje nos rimos à custa disso. Era caloira e fui com duas raparigas do 2º ano do meu curso, acho até que foram eles que organizaram aquilo. Estava à conversa com uma dessas raparigas, por acaso morávamos na mesma residência, e com outro rapaz que já nem me lembro o nome quando o B. se mete mesmo a minha frente e pergunta se não quero ir com ele para as escadas. Eu pergunto-lhe se sente bem, se quer ir apanhar ar e ele diz que não, que está óptimo mas que nas escadas podíamos estar à vontade. Eu, uma jovenzinha inocente na altura, pergunto à vontade para quê e ele, ali mesmo à frente deles, diz que assim podíamos dar uns beijos, fazendo-me corar de vergonha. Eu disse que não queria nada disso, que nunca iria acontecer porque não o via dessa forma, apenas como amigo e amigo a quem não dava beijos. "Amigos? Amigos já tenho muitos..." disse ele muito chateado e bazou.

Jovem! Tens mais de 18 anos e foste para a universidade? Então és um ganda maluco!

Gostava de saber o que passa por algumas mentes iluminadas para se porem a falar da vida de pessoas com quem trocam bom dia ou boa tarde e tirarem conclusões sobre o que fazem ou deixam de fazer só porque sim ou porque nos filmes é assim. Vai daí, quem vai para a faculdade e fica a morar numa residência universitária  é logo um ganda maluco, com uma vida social do caraças, em que bebedeiras e engates são o pão nosso de cada dia. Muito ao estilo American Pie ou Road trip ou algum filme deste género...
Pena é que eu tenha ido parar a uma residência feminina, com segurança à porta e tudo,  onde nem sequer o meu pai podia entrar no meu quarto porque era homem, e que os transportes à noite fossem demasiado escassos. E naquela altura não havia cá dinheiro para vir de táxi...
É.. pelos vistos a minha fase de living la vida loca passou e eu nem dei conta!! 

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Afinal eu consigo fazer isto!

Nunca fui capaz de levar uma dieta a sério. Houve ali uma altura em que andei uns meses a cozidos e grelhados por causa de problemas de estômago, mas como passaram, rapidamente voltei aos prazeres das massas com natas, das batatas fritas e das francesinhas. Os chocolates, a minha perdição, são e serão sempre os meus melhores amigos mas a verdade é que exagerava na dose. Desde que meti na cabeça que tinha de levar uma vida mais saudável, obriguei-me a olhar para a dieta com outros olhos, assim como para o exercício físico, praticamente "esquecido" até então. E a ideia que eu tinha de dieta era muito errada: a fome, o desespero, o querer desistir não fazem parte do meu vocabulário. Aliás, e verdade seja dita, como mais agora do que antes, apenas como de forma mais saudável. E tenho um dia para cair em tentação. E caio.. Oh se caio! E nunca uma fatia de bolo de chocolate me soube tão bem..E o resultado? 12 quilos perdidos em menos de 6 meses!

É só a mim que estas coisas acontecem?

Lá estava eu, sentadinha à espera que me chamassem para a consulta, quando vejo uma velhota dirigir-se a mim. Com a sala de espera quase vazia, logo com muitos lugares vagos à disposição, o raio da velha sentou-se mesmo ao meu lado. Aliás, conseguia cheirá-la à distância por causa do cheiro a bolas de traça. Há coisas que não mudam e esta é uma delas. Como já sei que o passo seguinte seria meter conversa, peguei no telemóvel e ponho a enviar sms para ela ver que estava ocupada. Não adiantou. À pergunta "Para que médica vai?", respondi da forma mais seca possível. Começa a falar sozinha. Que não tem jeito nenhum ter de esperar tanto tempo (tinha acabado de se sentar), que tem muito que fazer em casa, que o tempo lhe ataca os ossos mas que o marido está pior do que ela.. E eu calada, a olhar e a mexer no telemóvel. Até que me puxa o braço e me obriga a olhar para ela. "Já a chamaram para ali?", perguntou, sendo que a "ali" era onde se fazia a inscrição. Eu digo que sim e ela pergunta se me chamaram. Explico que não "ali" não chamam, chega-se lá e faz-se a inscrição. Ela levanta-se e com uma cara muito séria diz "Então e não me sabia ter dito isso antes? Raios partam a gente nova que não serve para nada!"

terça-feira, 5 de novembro de 2013

Mais uma história de (des)amor

Não tenho por hábito generalizar. Nós, as mulheres, não somos todas complicadíssimas em que só com livro de instruções a coisa lá vai e eles, os homens, também não todos uns mentirosos e traidores. Há de tudo, em cada género. Mas depois das histórias que me chegam aos ouvidos, admito que há dias em que me apetece chegar ao pé de certas e determinadas pessoas e bater-lhes!
Um homem que mente descaradamente para sacar gajas, enquanto a mulher está em casa com os filhos,e que se faz de vítima porque, ó meu Deus ó meu Deus, é tao infeliz com a vida que tem, devia ver os tomatinhos a secarem dia após dia até serem duas sementinhas...


segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Quem aceita pedidos?

Recebi os parabéns pelos 30. Com um mês de antecipação, vieram acompanhados de um pedido de desculpas por não serem dados no dia dois e de um versinho parvo, mesmo ao meu estilo. A atitude está lá, agora falta acertar no dia. E já agora as prendas vá... Toda a gente diz que não é preciso e tal e coiso, mas no fundo toda a gente gosta de receber e eu não sou excepção!

Método das "Bolinhas"

Ainda sou do tempo em que na escola primária éramos punidos com reguadas nas mãos. Agora usa-se o método das "bolinhas", onde a cor define o comportamento da criança: verde quando se portam bem e vermelho quando se portam mal. A minha sobrinha cansou-se do verde e, como tal, aderiu ao vermelho. A minha irmã pediu-me para falar com ela, basicamente para a convencer a portar-se bem, mas ela não me pareceu muito receptiva. "E depois tia? Na semana passada foram todas verdes..", disse ela. Eu cá acho que ela gosta de variar para não enjoar...

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

De mim para mim

"Porque será que te escrevi?"... Aposto que fizeste a ti própria esta pergunta! E a explicação é muito simples: eu conheço-te e, como tal, sei que há dias em que não aguentas o mundo nos ombros e precisas de uma palavra amiga. E por isso, cá estou, a antecipar-me às evasivas que dás a toda a gente quando te perguntam se está tudo bem. Estranha pergunta essa não é? Perguntam se está tudo bem mas não esperam realmente que lhes respondas com a verdade e por isso tu respondes sempre que sim, que está tudo bem, quando na verdade te sentes a morrer por dentro. E depois pensas que ninguém se importa contigo, mas não é verdade. Tu habituaste as pessoas aos sorrisos, às patetices, à alegria constante e a nunca te lamentares por isso não esperam ver-te em baixo e quando vêem não sabem como reagir contigo.
"E como é que tu sabes isso tudo?", perguntas tu de novo. Sei, simplesmente sei. E também sei que essa falta de esperança não se manterá muito tempo. Já passaste por isso e depois de te sentires no fundo do poço, olhas à tua volta e percebes que o único caminho possível é para cima. E vais subindo, ao teu ritmo, com os olhos postos no topo até que voltas a sentir-te dona da tua vida. E o melhor conselho que te posso dar em dias como o de hoje, em que não vês que volta hás-de dar à tua vida, é mesmo olhar à tua volta.
Um dia, no futuro, dar-me-ás razão.

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Sei que vou arder no fogo do inferno...

... quando me dão o número de telemóvel para ser eu a marcar um café e eu "esqueço" de marcar seja o que for! A coisa ganha contornos de pecado mortal quando dizem que podem dar uma palavrinha de amigo numa possível vaga de trabalho e aí sim já se marca o tal café!

Meet you in Hell...

terça-feira, 29 de outubro de 2013

Um almoço de família muito normal.. ou não!

A família não estava toda reunida, mas mesmo assim estavam  nove pessoas à mesa. A avó e a tia-avó falam que se desunham como se o tempo fosse acabar antes de conseguirem dizer tudo aquilo que querem. Falam sempre do passado, do quão difícil era a vida há muitos muitos anos atrás, falam dos rapazes que uma e outra tinham atrás delas em tempos idos, falam dos filhos que cresceram e nos netos que mal vêem por estarem longe, falam desta ou daquela, falam de tudo e de nada... Falam-se e isso é o mais importante. O plasma no fundo da sala, sinal dos tempos modernos porque "antigamente as televisões não eram assim", mal se ouve e como nenhuma delas sabe ler não conseguem perceber o assunto da notícia. E falam sobre a senhora que aparece na televisão:
- Tem a boca muito grande não tem?
- Tem, tem.
- É de fazer muitos broches!

A mesa pára. Um copo pára a caminho da boca, um garfo fica suspenso no ar com a  comida a arrefecer, as mãos ficam estáticas e ninguém diz nada. Perante o silêncio profundo, elas viram-se muito lentamente e riem-se. "Até parece que ninguém sabe o que é", acrescenta a avó. E a gargalhada é geral. E o almoço continua normalmente...

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Oh meu Porto

Depois de 40 minutos "presa" na barreira policial e de um verdadeiro filme* para conseguir levantar os meus bilhetes (ganhei um pack família de 4 bilhetes lol), lá consegui entrar no Dragão a tempo e horas. A coreografia nas bancadas criava um ambiente fantástico e estava tudo pronto para um grande clássico. E era isso que se pretendia, que fosse um grande jogo, como de facto foi. O penalti foi claríssimo, mesmo à minha frente, e ainda que os adeptos leoninos (mesmo ali ao meu lado) contestassem, a verdade é que foi bem assinalado. Mesmo à minha frente, vi o Josué preparar-se para marcar a grande penalidade e fechei os olhos. GOOOOOOLO e estava feito o primeiro. Confesso que tive receio que o meu FêCêPê "adormecesse" e vi a coisa muito mal parada quando o SCP empatou. Dois minutos depois e a segunda explosão de alegria. GOOOOOOLO e estávamos de novo na frente. Marcou o Danilo, lá ao fundo, longe dos meus olhos mas pareceu-me um grande golo. Grande foi a alegria e se até então o Dragão ouvia as provocações das claques do SCP com serenidade, respondemos ao "Quem bate palmas não é tripeiro", com um ruidoso "Só eu sei porque não fico em casa". E quando já não estava à espera, o terceiro! GOOOOOOLO e Lucho, El Comandante, leva o Dragão ao delírio. A segunda parte foi muito melhor do que a primeira e isto, esta garra, esta luta, esta entrega, isto é o MEU PORTO!


* Então não é que o número do voucher que me mandaram por mail não correspondia ao número que a gaja tinha na lista? Mais de 15 minutos à espera, mas a gaja lá teve a autorização para me dar os bilhetes

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Ver como os cegos

Não consigo conceber a vida na Terra sem a electricidade. As velas são óptimas para criar um ambiente romântico ou para deixar um cheirinho agradável no ar, agora iluminar que é bom, isso só a electricidade!
E como é que eu me lembrei disto hoje? Ora pois que estava a tomar o meu pequeno-almoço, ainda de pijama e cheia de ramelas, quando falhou a luz. Depois de dois trovões daqueles capazes de fazer um surdo ouvir qualquer coisa, a luz foi abaixo. Acabar o pequeno almoço foi fácil, afinal de contas todos os dias como o meu pãozinho com queijo com os olhos meio fechados, de maneiras que não notei grande diferença. O pior foi depois. Arranjar-me no meio das trevas não foi fácil. Consegui vestir a roupa do lado correcto graças às apalpadelas às etiquetas, lavei os dentes com a escova certa porque só há uma mas não tenho a certeza se usei  líquido certo para lavar a cara.. Nem se usei o creme para a cara ou para as mãos!

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Vaselina

A tarde ia a meio. O vento soprava lá fora e as folhas passavam pela vidraça a toda a velocidade. A esplanada do café tinha sido recolhida e as cadeiras esperavam ao frio que alguém as libertasse das correntes. Ouvem-se vozes a aproximar-se, vozes essas que ganham corpo quando quatro homens param em frente à vidraça. Tocam à campainha e mostram a identificação: são técnicos de um empresa de telecomunicações e precisam de ver a cablagem. E gera-se um reboliço, com escadotes, caixas de ferramentas e aparelhos estranhos para medir não sei bem o quê espalhados pela sala.

"Já entrou toda?", grita um lá de fora.
"Dá-lhe com mais força", responde o que ficou à porta.

A azáfama continua. Telefonemas entre o eles para perceber porque é que o fio não passa, contactos coma central, perguntas e mais perguntas e o cabo não se mexe.

"Vou buscar a vaselina e já vai até ao fim", assegura o responsável pela equipa e sai. Volta com a vaselina e espalha-a pelo cabo. "Anda lá, segura na ponta", pede ao outro. E mais um contacto com o exterior. "Já a sentes a mexer?", e a pergunta fica sem resposta porque chega outro técnico e explica que assim não vão conseguir.

"Se já está todo lá dentro, é acabar o serviço", explica o responsável, que, orientado os restantes homens, consegue realmente fazer o cabo mexer e chegar onde era suposto.

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Damn I'm good!!

E quem é que ganhou bilhetes para o clássico FCP X SCP? Quem foi, quem foi?
 

Expliquem-me como se eu fosse muito burra

Eu sei que sou loira e, como tal, sou muitas vezes catalogada de burra. Normalmente nem me aquece nem me arrefece, até porque acho que é a desculpa perfeita para não aturar muita coisa. "Ai desculpa, não percebi" é uma das frases que mais utilizo quando não estou com a mínima vontade de manter uma conversa com alguém. Aprendi isto com dona Avó que, não raras vezes, remata conversas com "olhe está a dar-me aqui uma dor", ao mesmo tempo que mete a mãozinha na barriga, e segue o caminho dela.

Mas voltando ao assunto. Apesar de não me considerar burra de todo, há coisas que realmente não percebo e isso mexe com o meu sistema nervoso. Alguém me explica, devagar e pacientemente, como é que um jogador profissional vê dois cartões amarelos em menos de um minuto?!? Como é que aquele Dumbo sai da barreira segundos depois de ver um cartão?!? Como?!?


terça-feira, 22 de outubro de 2013

Fazia-me feliz....

Foto tirada do facebook do Moustache

Chama-se Red Velvet, é de comer e chorar por mais e neste momento era o que me fazia feliz!! Estpu a falar do bolo, claro.. O chocolate quente nem vale a pena referir!!

Um lanchezinho destes no Moustache e passava-me logo a neura!!!

Serei assim tão má pessoa?

Eu tento, eu juro que tento ver o raio do copo meio cheio e encarar a vida com um sorriso mas porra.. há dias em que só me apetece fugir! Depois de acordar às 7 da manhã, sair de casa debaixo de um temporal para apanhar o metro às 8h e chegar ao trabalho depois das 10h porque a linha do metro estava obstruída devido ao mau tempo [e ainda  houve um descarrilamento na linha contrária], lamento mas não consigo ver a merda do copo meio cheio.
E que ninguém me venha dizer "ah e tal podia ser pior" porque isso é tudo uma grandessíssima treta! Coisas boas na minha vida precisam-se.. urgentemente!

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Abrir os olhos

Olhava para ele mas não o via. Na verdade, e para ser o mais sincera possível, nunca reparei bem nele e, portanto, não o conseguiria descrever mesmo que obrigasse a minha mente a um esforço sobrenatural. Sabia que existia e que exercia a sua função e isso bastava-me. Mas as coisas mudam e hoje também a minha forma de o ver mudou.. Ali, no mesmo sítio de sempre, ele esperava por mim, sereno como era habitual e quando me aproximei não se moveu. Chamou a minha atenção quando não teve qualquer reacção ao meu toque e ali, naquele instante, os meus olhos viram o que anteriormente nunca tinham visto: a quantidade de germes que habita no micro-ondas do meu local de trabalho!!! 

E ali, atenta a esta nova realidade, decidi que alguma coisa tinha de ser feita e, portanto, dediquei-me a ele... Ficou tão limpo e a cheirar tão bem que estava capaz de o beijar, mas achei melhor não.. ainda não estamos nesse ponto da relação!

[E assim se passa a hora de almoço, a exterminar germes e bichezas.]

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

O que faz falta é animar a malta!

imagem da net
E isto hoje fez-me rir.. outra vez!

Damn it!

Aquele momento em que alguém está a falar comigo e eu até estou a olhar para a pessoa, mas na minha cabeça só me vejo a fazer essa pessoa sofrer.....


quinta-feira, 17 de outubro de 2013

É Sorrir e acenar (Que é como quem diz "quero lá saber dessa merda")

Hoje acordei assim a modos que de bem com a vida. Não, não tive uma noite tórrida.. Não, não tive sonhos eróticos.. E não, não fumei nada que faça rir e ver o mundo belo e amarelo.
Não sei se o meu Tico e o meu Teco estão de greve ou se houve um qualquer alinhamento dos astros, mas o certo é que hoje nada me chateia! Problemas? Fuck you.. Chatices? Bite me.. É sorrir e acenar!!!

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Vitamina D

A consulta de rotina decorria normalmente, com a minha médica de família sempre a queixar-se dos cortes da função pública e a falar de tudo e mais alguma coisa menos do mais importante: a minha saúde. Entre uma pergunta sobre a minha mãe e outra sobre a minha sobrinha, lá me disse que as análises estavam todas óptimas e que estava bem de saúde e recomendável. Folguei em saber. Depois veio a parte estranha: começou a falar da falta de sol e da importância que ele tem para a vida das pessoas e não esteve com meias medidas. "Vais tomar vitamina D". Confusa, perguntei-lhe porquê já que minutos antes me tinha dito que estava tudo bem. A resposta deixou-me ainda mais desconcertada: "É o que se dá aos bebés para criarem defesas". Ainda lhe disse que aos 29 anos já não sou bebé (e lembrei-me da música da Romana, bahhhh), mas ela nem resposta me deu.
Na farmácia perguntei para que serviam as gotas e o farmacêutico disse-me que eram cálcio. Perante a minha cara de estranheza, acrescentou que era o que os bebés tomavam para fortalecer os ossos.

Ora parto do principio que se faz bem aos bebés, mal não me fará.. Mas se alguém souber ao certo para que raio servem as gotas de Vigantol, façam o favor de me elucidar sim? Muito agradecida!

terça-feira, 15 de outubro de 2013

Quando o sonho comanda a vida

Quando era mais nova tinha um sonho recorrente: corria por uma estrada fora, naquilo que me parecia um deserto, estrada essa que acabava abruptamente e caía num precipício.
Ora para começar só em sonhos é que eu me punha a correr, fosse num deserto, numa pista olímpica ou noutro sítio qualquer, mas a realidade deste sonho era tal que acordava no meio do chão. Ao cair do precipício mandava-me abaixo da cama e acordava em sofrimento (o ombro dorido podia ter alguma coisa a ver com este facto, note-se).

Anseio pelo dia, ou pela noite pronto, em que sonho que sou a vencedora do primeiro prémio do euromilhões e acordo com um cheque chorudo nas mãos. Ou que sonho com um homem sexy e acordo com o Baía ao meu lado.. ou o Clooney... ou o Depp..

A morte anda de renault clio

Ainda não estou em mim. O coração ainda bate acelerado e as pupilas ainda estão dilatadas tamanho foi o susto. Vi a morte,  ia a conduzir um renault clio preto e só não me abalroou numa rotunda porque eu conduzo devagar e tive tempo de travar. Não sei se tirou a carta em alguma escola ou se lhe saiu nos chocapics, mas tenho a certeza que não sabe as regras para circulação numa rotunda. Café, o meu corpo precisa de café!

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

Que "biolência"!

Tenho para mim que o George Martin é um velhote um tanto ou quanto masoquista. Podia matar as personagens todas da Guerra dos Tronos,  mas matar não é suficiente para ele. Têm de ser mortes violentas, com cabeças cortadas a rebolar,  esventramentos e esquartejamentos com fartura e sangue.. muito sangue! E depois ainda dizem que o Tarantino é doente.. Eu sonho com o dia em que arrancarei um olho a alguém só com dois dedinhos...

Ainda nem eram 9h da manhã e já uma gaja andava húmida

A humidade dá-me para reclamar, lamento. E isto de sair de casa antes das 8h da manhã cheia de pressa, sim porque "aqueles 5 minutos" de sorna sabem bem mas depois  fazem toda a diferença, chegar ao metro e não cair pinga de chuva faz com que nem sequer olhe para o guarda chuva. Depois claro, saio do metro, chove comó raio e eu apanho-a toda.. A humidade, ai a humidade!

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

Desgostos (leia-se "desgóstos")

Não gosto de palhaços.
Não gosto de ter de "fazer sala".
Não gosto de acordar cedo.
Não gosto de me sentir a mais.
Não gosto do silêncio.
Não gosto de mentiras.
Não gosto de pessoas demasiado sérias.
Não gosto de sorrisos forçados.
Não gosto de pessoas falsas.
Não gosto que me controlem.
Não gosto de almoçar/jantar sozinha.
Não gosto que me julguem.
Não gosto de dias "não".. E esta semananão foi foi só um dia "não"... Foi uma semana "não"!

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Sorrir e acenar

Aquele momento em que um agente da autoridade olha para ti, sorri e diz "Ainda bem que a vejo sorrir"...
Longe de mim querer faltar ao respeito às autoridades. "Sorrir e acenar, rapazes!"

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Estado líquido

Quando os nervos se apoderam de mim, transformam-me numa autêntica Maria Madalena. É ver-me chorar como se não houvesse amanhã, como se estes olhinhos fossem duas pocinhas de água que teimam em transbordar... Vou candidatar-me a quaisquer vagas para carpideira profissional!

terça-feira, 8 de outubro de 2013

And the hardest part...

Este não é um dos melhores momentos da minha vida... Mas quem já passou por tanto, desde uma infância moldada pela violência doméstica até às humilhações por ser gaga, a verdade é que este é apenas mais uma dificuldade que a vida, essa cabra, coloca no meu caminho. Custa-me controlar a impulsividade, custa-me manter a calma quando o que mais quero é explodir, mas sou e serei fiel aos meus princípios e a parte mais difícil é mesmo remar sozinha contra a maré...

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Twenty fuckin' nine!

Não tenho a mínima aptidão para adivinhar a idade das pessoas. Não sei "analisar" os traços de uma cara a ponto de lhe a idade exacta de 25 ou 30 anos. Aliás, esquivo-me sempre a esse tipo de situações porque sei que a probabilidade de errar é de 99,99999 por cento. Da mesma forma, quando me perguntam a idade não entro nos joguinhos do "ai mas que idade me dás?". Perguntam e eu respondo porque gosto que façam o mesmo.

No fim de semana tentaram adivinhar a minha idade. Com a desculpa de que não se pergunta a idade a uma  mulher, acharam melhor lançar números. Ora pois que o máximo que me davam eram 23 anos e já partindo do princípio que seria mais velha do que eles porque os chamei de "meninos" quando disseram que tinham 21 e 22 anos. Quando disse que tinha 29 anos, primeiro riram-se; como disse que estava a falar a sério, passaram para a fase do "eu não acredito", seguindo depois para a fase do "tás muito bem conservada".

Acho que só a minha mãe é que não me deixa esquecer que tenho quase trinta... 

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

Pessoas sem um pingo de humor dão-me nos nervos

Hoje é Dia Mundial do Animal, de maneiras que anda toda a gente a meter fotos dos seus animais no facebook. Ora eu escrevi algo tão simples como " Dia Mundial do Animal! Eu conheço muitos, mas o meu preferido é mesmo o de quatro patas!". E não é que um... um.. chamemos-lhe animal,  me veio dizer que eu não devia ser assim?

Fui ao castigo!

"Quem não vai para a parte funda da piscina?", ouvi o professor perguntar enquanto eu ganhava coragem para meter o lombo dentro de água. Foi ver-me levantar os bracinhos num ápice e gritar "EU". E não é que o gajo veio ter comigo e ameaçou-me? "Ou vais para a parte funda ou fazes exercícios diferentes de toda a gente". Eu entrei na piscina a rir e fiz o aquecimento a achar que o homem estava a brincar comigo, mas perdi o sorriso quando, já com as pessoas que sabem nadar na parte funda da piscina, o vejo a pegar num cinto com aquelas esponjas (que deve ter um nome próprio mas que eu desconheço) e chamar por mim! "Começa a andar para lá e quando não tiveres pé dou-te o cinto e não te preocupes que não te afogas", disse ele. E lá fui eu, a dizer mal da minha vida por ter 1,72 de altura e aquela merda ter 1,70 na parte mais funda. "Nem te devia dar o cinto, é só dares às pernas e aos braços que nunca ficas debaixo de água", resmungou ele. E eu antevi ali uma aula muito difícil para mim porque para além de não saber nadar, tenho medo da água, tenho medo de me afogar. E o medo é tanto que mesmo que não fosse um exercício para dar às pernas, eu dava e com força para garantir que não me afogava. Cheguei ao fim da aula toda rota e e ele a rir-se. "Para a próxima é sem o cinto, já sabes", diz-me ele! É, então não é?!

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Precisamos de falar

Caro Paulo,

Acho que é urgente uma conversa séria e franca nesta altura. Eu preciso de perceber o que é se passa nessa cabeça, preciso de entender o que é que queres que eu faça mais para que isto resulte porque começa a ser muito difícil ver tanta coisa má a acontecer. E eu quero que isto resulte,garanto-te! Não quero ser daquelas pessoas que à mínima dificuldade desiste, que deixa de acreditar no futuro. não, eu não sou assim.. Mas nesta altura tens de me ajudar.

Podes começar por me explicar porque é que deixas o Varela jogar os 90 minutos. Que eu saiba, o Danilo não está a cumprir nenhum castigo interno por isso obrigá-lo a cobrir todos os espaços,os dele e os do Varela, é pura maldade. Depois, podes explicar-me, e devagarinho a ver se eu entendo logo à primeira, como é que tiras o Lucho numa altura em que era mais do que óbvio que o meio campo estava em dificuldade. O Lucho não vai para novo, é um facto, mas o Quintero não segura o meio campo. É craque? É! Mas quer a bola na frente, não quer pensar o jogo. E, já agora, porque é que não podem jogar os dois? Temos de jogar sempre no mesmo esquema? E já nem vou falar no Helton que acabei de almoçar e até se me dá vómitos... Se querias defender o empate, reforçavas o meio campo e a defesa que naquela altura já estava aos papéis. Se querias atacar e subir a equipa o Ghilas tinha de entrar mais cedo.

Eu sei que treinadores de bancada há muitos! Como dizes, e bem, quem treina com eles, os jogadores, todos os dias és tu, mas, convenhamos, algo de muito errado se passa quando numa parte vemos uma equipa forte e coesa e na segunda metade parecemos a equipa de júniores de Freixo de Espada quem nem um passe em condições é capaz de fazer, quanto mais acertar com as marcações na barreira.

Tu pediste paciência e eu, esta jovem crente, dou-ta. Tentar perceber o teu lado antes de te mandar lamber sabão é um acto de boa fé da minha parte, podes acreditar. Ontem, sentada no meio de um bando de gente que não conhecia de lado nenhum, bati palmas quando eles assobiavam, gritei "Força Porto" quando eles insultavam as mães dos jogadores e a tua também, fiquei na bancada até a equipa regressar ao balneário quando eles saíram logo depois do segundo golo dos espanhóis... Por isso não me fales mais de paciência, fala-me de competência, de força, de amor à camisola.

Não me vou alongar mais, tens coisas mais importantes para fazer do que ouvir os desabafos de uma desiludida adepta. Sim, leste bem, desiludida e a derrota nem é o que me custa mais.. É a atitude, ou a falta dela! Não perdemos o jogo porque o Atlético é superior, perdemos porque lhes oferecemos a vitória. E eu preciso de tempo para digerir uma derrota assim...

terça-feira, 1 de outubro de 2013

Oh si cariño

Bilhete comprado - check!
Cachecol e camisola no saco - check!
Casaquinho para a chuva - Check!

Hoje há Liga dos Campeões no Dragão!! Nuestros hermanos que não pensem que as últimas exibições espelham o que somos...  Não vai ser fácil não senhora, mas em casa mandamos nós carago!!!!




segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Eu sei que não devia ouvir conversas alheias...

... mas que culpa tenho eu de estar sossegada a tomar o meu cafézinho e as duas senhoras falarem alto demais? Eu bem que estranhei o senhor do café dizer-me "ainda bem que chegou", mas não percebi bem porque raio é que ele estaria com saudades minhas... Até que ouço uma senhora dizer "ela devia pensar em estudar, não em sexo" e vejo o senhor do café a revirar os olhos. A conversa sobre a vida sexual da neta da senhora continuou, comigo e com o senhor do café num silêncio comprometedor, até que a outra senhora diz a bela frase "no meu tempo não era nada assim" e eu não contive um sorriso.
E aí a conversa já foi comigo:
- Ri-se porque é nova, não sabe o que era a vida naquele tempo!
Ao que eu respondo:
- Rio-me porque no seu tempo toda a gente namorava à janela mas depois de uns quantos meses as barrigas cresciam.




Diz que é uma espécie de pressão

Eu não quero ser má língua nem apontar o dedo a ninguém, mas ter um candidato à junta de freguesia da santa terrinha à porta do local de voto com uma cara de meter medo ao susto.. é pressão!
Aquilo foi coisinha para assustar as velhinhas lá da aldeia que passavam por ele e diziam boa tarde - e como são educadas as velhinhas que repetiam o cumprimento por pensarem que ele não as tinha ouvido à primeira - e ele nem sequer abria a boca. Ficava ali, de pé, estático à porta do edifício da junta. Estive mais de meia hora a apreciar o cenário - enquanto esperava que a minha avó votasse - e juro que o raio do gajo não abriu a boca a ninguém. Se lhe pintassem a cara de branco passava perfeitamente por um daqueles mimos.
E a verdade é que, soube-o hoje de manhã, lá ganhou as eleições. Isto de assustar as velhinhas resulta...

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Esclareçam-me...

... Roupa e sapatos podem ir ao microondas?

Está decidido: Amanhã vou comprar botas!

Estou neste preciso momento de pézinhos ao léu enquanto as sabrinas estão a secar. Já devia saber que os chuviscos que caíam quando me estava a preparar para sair de casa se iriam transformar em chuva da grossa mal metesse os pézinhos fora da porta. Pensei em calçar as galochas mas não consigo andar de sandálias num dia e no outro calçar as galochas pesadas e invernais.. Preciso de um período de adaptação. O outro par de botas está no sapateiro para arranjar e por isso as sabrinas foram a última opção, e a opçao mais errada diga-se. Chovia tanto que as calças estão molhadas até ao rabo, o casaco pinga nas mangas e só não molhei a cara porque quase dava beijos ao guarda-chuva.. Tenho para mim que vai ser um longe e gelado dia....

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Que se me dá um nervoso!

O gajo até era bem parecido, até era mais alto do que eu e até tinha o seu "je ne sais quoi" de interessante...
Mas, e há sempre um mas, vê-lo estacionar ao meu lado e a bater com a porta do carro dele na porta do meu carro obrigou-me a catalogá-lo automaticamente de ENERGÚMENO. Saí do carro, fui ao outro lado ver a porta e lá estava a pequena marquinha branca na pintura preta. Olhei para ele e ele, já fora do carro também, nem sequer abriu a boca o CAMELO.
"Nem sequer vai pedir desculpa?", pergunto eu; ao que ele responde "Tocou na porta? Desculpe!", o ANIMAL.

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Estarei mesmo a ficar senil?

Depois do esquecimento da roupa interior, hoje tentei ligar os phones ao passe do metro.
Tenho um ritual mal todas as manhãs: sentar-me o mais perto da porta possível (porque depois aquilo enche e é uma chatice ter de abalroar pessoas para conseguir sair) e depois de acomodada ouvir música. Hoje sentei-me, tirei os phones do bolsinho da mala e em vez de pegar no telemóvel peguei no passe do metro. Quando me apercebi da figura que estava a fazer, ri-me pois claro! Que mais posso eu fazer?

terça-feira, 24 de setembro de 2013

Como é que uma pessoa se esquece da roupa interior?

Segunda feira à noite é sinónimo de aula de hidroginástica. Lá vou eu toda empenhada em não faltar a nenhuma aula e em dar o meu melhor dentro de água, ao mesmo tempo que luto pela sobrevivência dentro da piscina e vou dando umas "pézadas" às gajas que ainda não perceberam que tenho as pernas grandes e se as esticar como deve ser acabo sempre por acertar em alguém... Adiante!
No fim da aula é que a coisa  ficou estranha. Saio do chuveiro, limpo-me bem limpinha e passo o creminho hidratante. E eis senão quando vou para vestir as cuecas e não as encontro. Procuro bem dentro do saco, em todos os bolsinhos e nada! Nem rasto de cuecas nem de soutien. A cinquentona vê-me a vestir as calças brancas de malha e diz que não consegue andar sem cuecas. Eu, para não dar parte fraca, digo que é libertador. Visto a t-shirt, branca também, e senhora não tira os olhos de mim. Só enquanto penteava o cabelo é que reparei que se via tudo. Como só tinha um casaco tive de escolher qual zona podia disfarçar. Optei por disfarçar as mamas porque sabia que mal pusesse os pézinhos fora do complexo desportivo, o vento as ia deixar arrepiadas e a apontar ao Senhor.Estou a ponderar começar a tomar Memofante...

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Not in the mood

O que eu mais gosto nos domingos é não ter horas para nada. É acordar tarde, é andar de pijama o dia todo, é sentar-me ao sol com a cadela e tentar ensinar-lhe alguma coisa e depois mandá-la à merda por ser mais teimosa do que eu... coisas simples mas que me deixam feliz!
Mas depois há aquelas coisas/pessoas/frases que me tiram do sério. Frases como "Um dia tão lindo e tu em casa.. vai namorar!" despertam em mim respostas como "Ó tia ao domingo preciso de descanso. Já viu o que é ter um gajo 2ª, 4ª e 6ª e outro à 3ª, 5ª e ao sábado? uma gaja não aguenta e isto não rompe mas cansa-se."
E pronto! Ela fica lixada e eu lixada fico porque a aura de paz e felicidade fica arruinada.
E piora.. ó se piora! É ver um jogo do FCP em que o árbitro não saber ver uma linha e a aura não tem conserto possível. (E ver o FCP a jogar assim deixa-me mal disposta.Ponto.)

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Que se fuck!

A nutricionista disse que posso dar uma " facadinha" na dieta uma vez por semana de maneiras que nas últimas semanas tenho ponderado muito bem o que comer para ficar satisfeitinha da vida. Mas esta semana sei bem o que quero. Chama-se Läderach e é o melhor chocolate que já comi em toda a minha vida. O que tenho em casa, vindo directamente da Suiça, é de avelãs!!! Exactamente como este da foto :)

Foto retirada do FB da Läderach

Escola Primária

Tinha 5 anos quando entrei para a escola. Antes das aulas começarem, fui chamada a uma "reunião" com a professora e outras pessoas de cargos mais altos, na qual me pediram para escrever o nome, fazer uma cruz, um círculo e um quadrado. Na altura fiquei triste por me terem pedido só aquilo, queria mostrar tudo o que sabia o que, diga-se, era bem mais. Mas na semana seguinte lá estava eu toda contente na sentada no meu lugar. Só havia uma sala de aulas para as 4 classes, que tiveram, obrigatoriamente de ser agrupadas: a 2ª e a 4ª classe tinham aulas de manhã; a 1ª e a 3ª tinham aulas de tarde. Lembro-me de jogarmos às escondidas no campo de milho que havia apegado ao recreio e da professora tocar a sineta durante um bom bocado para os que estavam lá no fundo do campo ouvirem; lembro-me de me esfarrapar toda a jogar à bola com os da 4ª classe, bem maiores julgava eu; lembro-me de ir para casa da minha melhor amiga (e mais antiga porque 25 anos é uma vida) e esconder-me debaixo da cama dela enquanto ela mentia descaradamente à minha irmã dizendo que não me tinha visto desde que saímos da escola...

Esta semana é a primeira semana de aulas da minha sobrinha. Na semana passada dizia que depois da escola começar não ia ter tempo para brincar. Hoje vou buscá-la para jantar e saber as novidades...

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Como arruinar os sonhos de velhice de uma gaja!

"Se pensas que vais ser como a Tina Turner desengana-te! As velhas de olhos azuis são sempre horríveis".
Ouvir isto de uma amiga dói.

Vá "de metro" Satanás!

Ontem voltei aos relatos! Não me apetecia sair de casa e assim, confortavelmente acomodada no aconchego do lar, ouvi o relato do jogo do FCP. Depois de dois ou três princípios de AVC e de ter roído cinco ou seis unhas, o jogo lá acabou e lá trouxemos os três pontos de Viena. Mas durante o jogo a imagem do Vítor Pereira assombrou-me várias vezes, demasiadas eu diria. O raio do homem, do alto das Arábias, com o seu turbante e aquele sorriso matreiro não me saíam da cabeça... nem sei como não tive pesadelos!

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Será que sou adoptada?

Já aqui contei algumas histórias do meu passado familiar, nomeadamente as histórias de violência doméstica. Mas não era só as agressões que eu não percebia.. O facto de a minha mãe ter de pedir autorização ao meu pai para sair de casa, fosse ela ao médico ou a casa da minha avó, sempre me fez imensa confusão, assim como ela depender dele para todas as decisões. A minha mãe era o exemplo da mulher subjugada, que suportava tudo em prol da família, ainda que eu não percebesse esse conceito estranho de "família" que ela e o meu pai tinham. Com o tempo, percebi que era uma questão de mentalidades, percebi que eles estavam "formatados" para que assim fosse: ele mandava, ela obedecia. Nunca aceitei isto, tive grandes discussões ora com um ora com outro e nunca percebi porque discutia a minha mãe comigo quando a única coisa que eu queria era ajudá-la a libertar-se.
Anos mais tarde, vejo  isto a acontecer com a minha irmã. Quatro anos mais velha do que eu, viveu comigo todos os dramas familiares dos nosso pais e neste momento também ela se rege por regras retrógradas estipuladas pelo marido. Há muito que deixei de tentar ter algum tipo de relação com uma pessoa como ele, limitando-me ao cordial "bom dia" ou "boa tarde", isto depois de já lhe ter dito com todas as letras que à minha frente não trata a minha irmã como se fosse criada dele. E a verdade é que sofro com isto tudo, primeiro porque não posso fazer nada porque a vida é dela e, segundo, porque não quero que a minha sobrinha passe por nada semelhante ao que eu passei. E ainda que a minha irmã não seja vítima de violência doméstica (porque aí eu já podia agir), a verdade é que é vítima de violência psicológica e a miúda vai começar a perceber as coisas. Aliás, já percebe porque diz muitas vezes que "o papá não vai saber pois não tia?" ou "o papá depois ralha com a mamã"... E eu não percebo como é que a minha irmã aceita tudo isto e a questão da mentalidade ou da "formatação" já nem se coloca porque eu fui educada da mesma maneira que ela.

terça-feira, 17 de setembro de 2013

O Marco Paulo é que percebia disto!!

"Empreendedor à procura de dois amores de meninas até 35 anos, com 1,70 m, sos, superelegantes, saudaveis, sem vicios e com carta conducao para uma relacao amorosa e projeto de vida a tres. Regiao Oeste. Por favor, mandem apresentacao com foto."


Depois de ver esta mensagem na Revista Maria, que, admito, abri para ler o diário íntimo porque me anima sempre, ainda que já me tivessem arruinado um sonho de vida ao dizerem que não se podia engravidar por darmos beijos à almofada.. mas adiante! Depois de ler esta mensagem estou seriamente tentada a responder... Tenho é um pequeno problema: tenho medo de ser rejeitada por causa da altura -  meço 1,72!! 

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Menina ou Senhora

Como é que se sabe quando se deve tratar alguém por menina ou por senhora?
Há algum sinal que os outros recebem mas que nós não sabemos que estamos a emitir?
Este fim de semana trataram-me quer por menina quer por senhora e isto deixa-me confusa, porra!! Numa loja de cosméticos, peço ajuda à funcionária e ela trata-me por menina. Depois, a caminho do cinema*, fui abordada por um daqueles gajos chatos dos bancos que nos pedem um minutinho quando passamos por eles no meio do shopping, que me tratou por senhora. No dia seguinte, ao lanchar com a minha mãe, o empregado de mesa volta a tratar-me por menina (que a minha mãe prontamente esclareceu que estou quase nos trinta).


*Fui ver o novo do Woody Allen.. Esperava tão mais do filme!!

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

Cuecas descartáveis!!

Sinto-me uma esponja, a absorver conhecimento de todas as fontes de onde ele brota. E deparo-me com fontes cujo conhecimento é tal que me sinto pequenina perante tantos ensinamentos. Mas afinal o que é que aprendi? Ora vejamos:

Tens um encontro escaldante e não queres que o gajo te confunda com um ursinho bebé cujo pelo está em crescimento. Marcas a depilação no único tempinho livre que tens mas dali a pouco vais estar com o gajo e não queres ter as cuecas todas colantes  dos resquícios de cera. O que fazer? Pedir à esteticista umas cuecas descartáveis!!! A esteticista pode colar o que lhe apetecer que as tuas cuecas estão a salvo, penduradinhas no cabide ali mesmo por cima da tua cabeça!!!!


quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Primeiro eu, depois eu e só depois os outros

Foi este o recado que a interna designada pela minha médica de família para me atender me deu: primeiro eu, depois eu e só depois os outros!!! Isto a propósito de eu lhe dizer que 2013 é o ano em que volto a tratar de mim e,claro, contar-lhe a minha história de vida dando ênfase ao historial clínico. 
Tendo em conta que  não aparecia no centro de saúde  desde 2009, a consulta foi demorada e agora tenho um batalhão de exames para fazer. Tirei as férias par tratar de mim e para fazer a revisão às máquinas! Nutricionista e ginecologia estão arrumados! Desde 22 de Maio que emagreci 9 quilos... A dieta custa, mas caraças é tão bom ouvirmos os elogios da nutricionista!!!!

sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Eu quero que as famosas se vão lamber!!!

Diz que o exercício faz bem  ao corpo e à mente, à auto-estima e ao ego, ao stress e ao sistema nervoso. Resumindo, faz bem a tudo! Ontem voltei às lides do exercício físico e, batam-me já, decidi começar com uma aula de ginástica localizada. Ora a modos que depois de um mês e tal sem fazer a ponta de um corno no que toca ao exercício, e de ter mandado a dieta às urtigas nas férias, não foi uma boa ideia não senhora.

"Insistam, forcem os músculos!! As famosos fazem estes exercícios todos os dias" dizia a professora. E entre agachamentos, flexões e outros exercícios que não sei o nome lá fui fazendo as coisas da forma melhor forma possível, ou seja mal, até que comecei a pensar que tinha gelatina em vez de pernas porque tremia que só visto. E enquanto a professora continuava com frases bonitas como "Não querem um rabo como o das famosas?" ou "vá lá, é isto que as famosas fazem para estar em forma", eu só pensava "eu quero que as famosas se vão lamber!!"

quinta-feira, 5 de setembro de 2013

Eu queria muito.. mas não posso!!

Pensei em inscrever-me para a Casa dos Segredos. Diz que pagam por lá estar, dão comida e roupa lavada.. A parte de aturar gente mal formada que fala mal de tudo o que mexe e se acham os maiores do bairro deixava-me com o pé atrás, mas o que me fez mesmo desistir da ideia foi perceber que nunca teria sucesso. Senão vejamos:

1) nosso senhor jesus cristo não me abençoou com um corpinho de modelo nem com um par de mamas que mais parecem melões (será que não gosta de mim?);
2) não tenho silicone em parte alguma do corpo;
3) sei falar em condições (ok, não digo que não me saiam umas caralhadas com alguma frequência, mas pelos vistos as televisões lidam bem com isso)
4)  `sei algumas coisas de cultura geral ( que a África fica a sul de Portugal e coisas assim importantes)
5) não conheço nenhum famoso logo nunca tive um caso com nenhum (os que tenho na minha cabeça não contam)
6) tudo aquilo que poderia usar como segredo já foi usado: o trabalho infantil (o primeiro verão que trabalhei tinha 14 anos), já fui a outra sem saber (como não era famoso não tinha interesse)..

Vou concorrer ao "Quem quer ser milionário". Sempre passo por pessoa culta e vejo de perto o maior buraco de Portugal: a boca da Manuela Moura Guedes!!!

quarta-feira, 4 de setembro de 2013

Amizade

Em cinco anos de despedidas, não me habituo a ter de lhe dizer "até já"...  E se ontem chorei, hoje deu-me para a parvoíce e o resultado é este:


(Ler ou melhor cantar com a música do SOMOS NÓS, sim aquela da cerveja)

Nós somos a amizade, nós somos o amor...
Nós somos os sorrisos, a brisa e o calor!

Somos duas malucas que ninguém atura
Há vinte e cinco anos
E só crescemos em altura!

Nós somos a alegria
Nós somos maluqueira
Damos cabo da cabeça
De quem está à nossa beira

Nós somos duas crianças
Em corpo de mulher
Seremos sempre assim
Porque gosta quem quer!

E SOMOS NÓÓÓÓÓÓS!!

Conheço esta gaja há 25 anos.... Uma vida!!


terça-feira, 3 de setembro de 2013

Epá!

 Juntem o Bruma e o JJ numa conferência de imprensa e até o buraco do ozono pára de crescer!!!!
(Eu gaguejo, já o disse aqui, mas foda-se em compraração com estes dois, eu faço o que quero da língua!!!)



 Bruma rumou à Turquia para vestir a camisola do Galatasaray - Desporto - Notícias - RTP

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Algures no metro

A carruagem tinha pouca gente. Ela escolhe quase sempre o mesmo lugar, perto da porta e junto ao vidro. Ele entrou no metro já as portas estavam a fechar. Parou, respirou fundo e olhou em volta. Ela tirou o livro da mala, abriu-o no página onde estava o marcador e no momento em que levantou os olhos para ver as horas no painel exterior, o seu olhar ficou preso no olhar dele. Ele tinha muitos lugares à escolha, mas foi sentar-se ao lado dela sem nunca desviar o olhar daqueles olhos que o prendiam. Ela, envergonhada como sempre, desviou o olhar quando percebeu que ele se ia sentar ao lado dela e concentrou-se no livro que esperava pacientemente à sua frente. Ele sentou-se, pousou o saco no chão e recostou-se. Olhou para ela, mas ela não lhe devolveu o olhar.

Havia algo de errado com Dan Brown. O suspense não a fazia saltar linhas para ler o desfecho da cena e ela sabia porquê: aquele toque suave não a deixava concentrar-se. Já tinha lido e relido o que Rachel Sexton tinha descoberto, mas sentia o seu braço acariciado por aquele braço moreno e bem delineado e a história não a prendia. Ele interrogava-se se seria habitual vê-la no metro. Já não era a primeira vez que apanhava o metro àquela hora, mas nunca a tinha visto e, no entanto, tudo parecia indicar que ela estava realmente familiarizada com aquelas andanças.

Aos poucos o sono foi ficando mais forte até que não aguentou mais e sucumbiu. Acordou com a certeza de que estava a cair de um lugar muito alto, mas era falso alarme. Tinha inclinado o corpo demasiado para o lado, mas não houve queda alguma porque ela estava lá. Ele pediu desculpa. A concentração no livro era cada vez mais difícil, sentia-o a inclinar-se cada vez mais e quando ele acordou e olhou para ela muito atrapalhado ela sorriu. Meia hora depois, trocavam sorrisos de cada vez que ele acordava amparado por ela. Não trocaram uma palavra, apenas sorrisos.

Ela tocou-lhe ao de leve no ombro. Estava de pé. Ele não percebeu e ela, muito pacientemente, explicou que saía na próxima estação. Ele sorriu, puxou as pernas para o lado e disse "até amanhã". Ela agradeceu e sorriu. Encaminhou-se para a porta e esperou que as portas se abrissem.


sexta-feira, 30 de agosto de 2013

Família

A primeira vez que fugimos de casa, descalças e em pijama, eu tinha 6 anos. As marcas da violenta discussão eram bem visíveis na minha mãe, que chorava copiosamente e eu e a minha irmã mantivemo-nos em silêncio o caminho todo até casa da minha avó. Nessa noite ouvi a minha avó dizer à minha mãe que o dever de uma mulher, enquanto esposa, é aguentar tudo pela família. Não percebi naquela altura e continuo sem perceber, passados estes anos todos,  onde é que a violência doméstica encaixa no seio de uma família.
Hoje no café a coscuvilhice foi sobre uma mulher, pelo que percebi jovem, que deixou o marido durante a noite. "Não pensou na menina que agora vai crescer sem pai", disse uma velhota. E eu pensei em mim que, apesar de não guardar rancor do meu pai, nunca esqueci as vezes em que fugimos de casa.

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Mãe há só uma...

... e a mãe desta jovem que se vestiu de noiva deve andar lá pela santa terra com um orgulho na filha que apareceu na televisão tão grande que a esta hora anda a distribuir fotos autografadas do seu rebento!!


Estreia mundial do documentário sobre os "One Direction" - Cultura - Notícias - RTP

Nossa que biolência!

Talvez pelo ar pesado (por causa da cinza) que se respira por estes lados...
Talvez por ainda não me ter habituado a voltar a acordar às 7h da manhã..
Ou talvez porque está um calor que não se aguenta..

Mas a verdade é que não me apetece fazer nada, a não ser cair para o lado!








quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Vinil

Lembro-me dos arrufos entre os meus pais porque causa do vinil: ele gostava de os pôr a rodar no gira-discos e ouvir a música alta (mais uma "herança" que me deixou), mas ela dizia que não conseguia estar em casa com tanto barulho. Hoje já ninguém os ouve. O gira-discos avariou e nunca mais foi arranjado; o meu pai nos últimos anos já não queria saber deles para nada e acabaram num canto de um armário lá em casa a ganhar mofo.

Decidi ver como estavam e, um a um, arranjei-lhes as capas (ok, há alguns que já não têm capa). Fui a duas lojas de discos ver se valiam alguma coisa, mas voltei a casa na mesma. "O responsável pelas compras está de férias, volte mais lá para Setembro", foi a resposta que ouvi nos dois sítios. Entretanto lembrei-me que posso muito bem oferecê-los como prenda de aniversário ou de Natal. Quem não gostaria de receber um vinil do José Malhoa ou do Jorge Ferreira? E do Grease ou dos Village People? E dos Supertramp ou dos Queen?

terça-feira, 27 de agosto de 2013

Lisboa como eu a vi

Alguns detalhes a que não consegui ficar indiferente.
Os monumentos são imponentes, as avenidas são enormes, as vistas dos pontos mais altos são deslumbrantes, mas os detalhes, esses, fazem toda a diferença!

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Um lugar para dois

Quando vamos a um restaurante perguntam-nos sempre "mesa para quantos", sempre no plural porque no mínimo serão duas pessoas a desfrutar da companhia uma da outra. Numa ida ao cinema a história repete-se e perguntam-nos sempre quantos bilhetes vamos querer. E isto acontece em muitas outras situações. O mundo é um lugar para dois! Mas não vou deixar de fazer o que gosto só porque  não tenho ninguém. Este ano, por acaso fui de férias com a minha melhor amiga e sabe bem ter com quem comentar as vistas ou partilhar um mojito, mas quantas vezes não sou olhada de lado quando me sento sozinha num lugarzinho do Estádio do Dragão por exemplo?  Longe vai o tempo em que isso me incomodava, recuso-me a deixar de fazer coisas que gosto só porque o mundo é um lugar para dois...

Das férias

"O que é que vocês vão fazer a África?", foi esta a pergunta do revisor do comboio quando olho para o bilhete. E realmente, nunca me senti tão branquinha como no metro de Lisboa..  Armada em "bifa", passeei pela cidade nos autocarros panorâmicos e devo confessar que fiquei agradavelmente surpreendida com a cidade. As pessoas são muito diferentes... Assisti a uma discussão acesa entre dois jovenzinhos e o insulto mais forte que ouvi foi "cabrãozinho de merda". Ora isso cá no Porto nunca seria considerado um insulto a sério, não é verdade? Aliás, a coisa mais "forte" que ouvi a capital saiu da boca de uma senhora de 72 anos (que me contou a vida toda dela no metro) que se virou para o marido e disse "oh filho, Deus te dê o que te falta.. pau e gaita"!!!

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Momento parvo na farmácia

Entramos na farmácia e a primeira coisa que vimos foi uma senhora com o top vestido ao contrário. Rimo-nos tão alto que todas as cabeças rodaram na nossa direcção. Aguardamos pela nossa vez e quando fomos atendidas, o que se passou foi mais ou menos isto:

Farmacêutico: Boa tarde meninas, o que vai ser?
Ela: Era uma caia de Centrum Mulher por favor.
Farmacêutico: Ora aqui está..
Ela: Agora queria uma pomada anestésica..
Eu (Interrompendo-a): Tu sabes como tomar isso?
Ela: Claro, pela boca!!!!
E o farmacêutico riu-se alto e bom som na nossa cara.
Ela: A pomada anestésica?
Eu: Mas tu queres isso para quê mesmo?
Ela: Foda-se, posso pedir o que quero?
Farmacêutico (a disfarçar o riso): Olhe, tínhamos duas diferentes, mas neste momento não temos nenhuma.
Ela: Pronto, deixe lá. Olhe tenho aqui um papo!! - E estica a mão!
O farmacêutico olha especado para a palma da mão dela e não vê papo nenhum. Meio atrapalhado pega-lhe na mão e apalpa-a.
Farmacêutico: Ah já o sinto! Realmente é estranho.
Eu: Tu queres ver que tens um sexto dedo a crescer?
Farmacêutico ( a rir-se): Pode ser osso ou falta dele.. ou então o nervo!
Eu: És o Spider Man e saem-te aranhas pelas mãos!!! Aranhas não, teias enganei-me!||
Ela olha para mim com o seu olhar "e se te fosse foder?" e o farmacêutico parte-se a rir, mas lá aconselhou a consultar um ortopedista!!!



segunda-feira, 12 de agosto de 2013

O Belo do Dolce Fare Niente

Adeus despertador...
Adeus pessoas estranhas do metro...
Adeus responsabilidade...
Adeus chatices...
Adeus horários!

Olá acordar tarde!
Olá pessoas bonitas da esplanada!!
Olá passeios longos e sem hora para voltar!!!
Olá mojitos!!!
Olá gargalhadas pela madrugada dentro!!!

Olá vida boa!!!
Minha gente, habituava-me a esta vida... Ganhasse eu o euromilhões e era um fartote!!

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

3 pequenos apontamentos e depois.. FÉRIAS!

1º pequeno apontamento:  queria ter escrito uma coisa bonita e partilhar a minha felicidade por ter férias, mas hoje não tive tempo para nada, nem de me coçar!

2º pequeno apontamento: nunca uma sexta-feira passou tão rápido e tão devagar ao mesmo tempo.

3º pequeno apontamento: devia ter pesquisado mais coisas sobre Lisboa, mas não tive tempo, de modos que a primeira coisa que farei quando chegar a Ssanta Apolónia será armar-me em "bifa" e ir a um posto de Turismo.

E agora, vou só ali descansar duas semanas!!!


quinta-feira, 8 de agosto de 2013

Música sexy

Ando tudo maluco com a música Get Lucky dos Daft Punk e que é mais sexy do Verão e não sei que mais... Eu não digo que não ouça e que até dance que nem uma maluca quando ninguém está a ver, mas música sexy para mim é mais isto


Desenhos

Sobrinha mai linda fez um desenho para sua tia adorada. Uma verdadeira obra de arte abstracta, digna de um Louvre de Paris de França, mas eu achei a Mona Lisa um quadro normal por isso está visto que não percebo nada de arte. Mas voltando ao desenho... Consto eu, ela e a cadela, mais umas árvores e o sol. Quando lhe tentei explicar que não podia desenhar-me do mesmo tamanho do que ela, a resposta foi muito simples: tu és grande e eu vou ser grande também, isto é o desenho de quando formos mais velhas!!!
Maya tu põe-te fina... Ela vai encostar-te a um canto com previsões!!

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Dúvidas desfeitas

Aquele momento em que a senhora do café chega, pousa o bolo de chocolate caseiro e diz "boa tarde meninas!!", dirigindo-se a mim e à minha colega de trabalho, e um gajo (o único da nossa idade que pára no café à hora de almoço e que eu achava que era gay mas a minha colega não tinha tanta certeza) responde todo sorridente "Ai olá boa tarde!". A senhora do café olhou para nós, riu-se e acrescentou "Eu disse meninas porque não te tinha visto", ao que ele responde "não se preocupe que eu não me importo nada com isso". Eu já não tenho dúvidas...

terça-feira, 6 de agosto de 2013

Das vergonhas que eu já passei

Não sou uma pessoa de fazer praia. Não tenho muita paciência para estar ali esparramada ao sol, ora torra de um lado ora torra do outro. Mas como em Roma há que ser romana, quando fui de férias para Albufeira, lá fui fazer praia com o resto do povo. E umas das maiores vergonhas da minha vida aconteceu em plena Praia dos Pescadores: como não sei nadar, não quis para a água e deixei-me ficar na toalha. Ali estava eu, de costas para o sol a tentar passar de muitíssimo branca para muito branca, quando os meus amigos vêm da água encharcados e decidem sacudir-se que nem cachorrinhos em cima de mim. "Seu filho da p"#$, cabrão do c#"#"%&"  e outro epítetos fofinhos sairam desta boca a uma velocidade alucinante até que me levanto e reparo... O choque, o drama, o horror estampados nas caras daquela gente toda que olhava para mim de olhos esbugalhados e com uma expressão que me fez ter pena de mim própria.

Estas férias (e estão aí weeeeeeeeeeeeeee :D) vou a Lisboa e prometo aqui perante toda a blogosfera que me vou portar bem!!!

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Habemos máquina

Ora depois deste belo episódio do meu livro das vergonhas, a minha máquina fotográfica voltou mesmo a ser reparada. Quer dizer, não sei se voltou porque já passou um mês e como ninguém me disse nada sobre a bicha, decidi passar na Worten e perguntar em que ponto é que estava a situação. Ora que a situação estava pior do que o nosso governo porque pelo menos sabemos que o "Bunny Steps" está pelos Algarves, e da minha máquina ninguém me sabia dizer nada. Vai daí que a troquei por outra, novinha em folha e, muito importante no meu caso, com garantia a partir de agora!

Eu hoje estou assim a modos que bem com a vida!

Se a vida me dá limões, eu faço limonada. Se a vida me dá laranjas, eu faço laranjada. Se me der marmelos já é mais complicado porque não gosto de marmelada.. Mas adiante. Quer isto dizer que não sou muito de lamurias e que aceito o que a vida me dá e tento tirar o melhor partido disso. A modos que o que podia ter sido apenas e só o concerto dos Keane, acabou numa road trip entre amigos alucinante, com muitas gargalhadas, muita música e muitas dores de barriga de tanto rir!

Começou com uma situação caricata no trânsito. Eu a falar para o pessoal dentro do carro, mas a olhar para fora e um senhor emigrante pensou que estivesse a barafustar com ele e pergunta com ar de zangado:
- Qu'est q'il y a?
- Oh senhor não estava a falar consigo!!!, respondo eu.

Estava lançada a primeira grande gargalhada do dia. Até Cantanhede foi um desfilar de frases e pensamentos bonitos e profundos. E a viagem de regresso foi sempre a dançar dentro do carro! Verdadeiros Harlem Shakes foram feitos dentro daquele carro, que nunca mais será o mesmo. Não sei o que tinham os pastéis de nata com sabores (maravilhooooooosos), mas deviam ter alguma coisa coisa porque nenhum de nós bebeu!

sexta-feira, 2 de agosto de 2013

Mágico Porto

Não, eu não vou cantar um dos hinos do meu querido e adorado FêCêPê, descansem!
O Porto é mágico pelos becos e ruelas, pela fusão de cheiros e aromas, pela confusão de pessoas dos mais variados cantos do mundo, pelo rio que abraça o mar e pelo mar que envolve o rio, pelas paisagens peculiares e pelas vistas caricatas, mas é mágico sobretudo pelas pessoas que tanto o caracterizam.

Não que eu seja muito viajada, mas nunca, em cidade alguma, vi cuecões a secar na varanda como vejo no Porto. Mais, nunca em cidade nenhuma, estive tão perto de apanhar com umas cueconas na cabeça como já me aconteceu na Inbicta, quando a dona das ditas as deixou cair e gritou "olhá cueca!!!". E hoje um novo patamar de magia foi alcançado com uma casca de banana a voar do alto de um prédio. Podia tratar-se de um caso de puro descuido ou de mera badalhoquice? Podia... Mas eu quero acreditar que é a magia e que coisas destas  não acontecem em mais lado nenhum!

As vacas, os porcos.. e os Keane!

Amanhã volto aos concertos ao vivo, desta vez em Cantanhede para ver os Keane! Como é que eles vão parar a Cantanhede a uma feira agrícola chamada Expofacic?Não faço ideia!!! E também não sei até que ponto é que eles estarão preparados para verem as vaquinhas e os porquinhos ali ao lado do palco... Uma aventura no campo!

quinta-feira, 1 de agosto de 2013

É oficial: hoje é um dia estranho!

Depois do rabo antes das 9h da manhã, eis que agora tenho um Ussumane Darame a fazer-me pedido de amizade no FB e um árabe qualquer a dizer que me quer conhecer.... Eu vou ser trocada por camelos!!!

Eu vi um rabo

Estou em choque.
Eram 8:50h quando entrei no Pingo Doce, com a missão simples de comprar água. Dirigi-me ao corredor dos líquidos e deparo-me com o rabo enorme e quase todo ao léu do funcionário que estava a repor as águas. Devo ter feito uma cara tão estranha que o jovem me perguntou se precisava de ajuda.E eu em choque abanei com a cabeça. Trouxe a água, mas devia ter trazido vodka e beber para esquecer...

quarta-feira, 31 de julho de 2013

I need a hero...

... a dificuldade está em escolher qual!!!
 

As decisões difíceis da vida...

Ora porra!

Já não basta contar a toda a gente que a primeira coisa que disse quando me viu foi "Ai que a minha filha é tão feia", isto quando a parteira me colocou nos braços dela, agora tem de andar a dizer a toda a gente a minha idade. Não que eu tenha  problemas em dizer que chego aos 30 em Dezembro, que não tenho... mas caramba!! Se as pessoas acham que tenho no máximo 25 vou desmenti-las porquê? Cada um é livre de acreditar no que quer...

terça-feira, 30 de julho de 2013

She goes la la la la la



Os gritos não param. Ferem-se um ao outro, dizem palavras que magoam mais do que certos actos e ela, a pequenita, ouve apavorada o que se passa no quarto ao lado.

She goes la la la la la….

Começa a cantarolar, muito baixinho, mas as vozes do outro quarto não cessam. Ela sabe que não vão parar tão cedo e não pode fazer nada. Concentra-se na música.

She goes la la la la la …

Quando acorda o silêncio é seu companheiro. Já não há gritos e o sol vai alto. Hoje só há aulas de tarde e ela deixa-se ficar no quarto. A mãe vem acordá-la mas encontra-a sentada na cama a estudar. Tenta saber se ela ouviu a discussão na noite anterior mas ela não responde.

She goes la la la la la…

Na escola a professora pede-lhe para ler. Ela não gosta de ler em voz alta porque os outros meninos riem-se dela. Mas respira fundo, acena com a cabeça à professora e começa a ler. Lê para os outros mas não retém uma palavra do que disse. No mundinho perfeito da sua cabeça, a música continua a rodar.

She goes la la la la la…

Daqui para a frente, o mundo perfeito existe... e tem banda sonora! She goes la la la la la…